Orgão da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa


NOVO !
Leia o nosso jornal (em pdf):



ARTIGOS MAIS LIDOS


Os Mais Insignes Judeus Transmontanos

Nordeste

Presentes de Natal Amargos

À Memória de Constantino, Trasmontano e Rei dos Floristas

A Emoção e a Razão


A CTMAD está na net

Acompanhe-nos no FACEBOOK


Compareça ! Participe !




Se ainda não é sócio
da nossa Casa

junte-se a nós!

Pela nossa região,
pela sua terra !


quota anual:
apenas 25 €






Peça a Revista
do Centenário


A história da nossa Casa,
pelo Dr. Armando Jorge.
Adquira já !
preço:10 €



Entrevista do Dr. Nuno Aires
ao Portugal no Coração



A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro e' a associação regionalista mais antiga de Lisboa. Foi fundada por alvara' régio de 1905.09.23. E' uma Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, sem fins lucrativos.
E' Membro Honorário da Ordem do Infante D. Henrique.

Sede:
Campo Pequeno, 50 - 3º Esq., 1000-081 Lisboa.
Tel. 217939311 Fax 217939198
e-mail: ctmad.lisboa@gmail.com
NPC 500788863
NIB 003500010001305153056

Seja sócio da CTMAD fazendo o download da ficha:
Em formato PDF
ou
Em formato Word
e enviando-a devidamente preenchida.
Para débito directo preencha esta ficha.



<< June 2007 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02
03 04 05 06 07 08 09
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

Edições anteriores

Marco 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho/Julho 2007
Setembro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007



SÍTIOS DA CASA

Casa de Tras-os-Montes e Alto Douro
CTMAD no FACEBOOK (novo !)
blog da CTMAD
CTMAD Cultura
Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro (wordpress)
Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro (blogspot)
Fotos CTMAD (Sapo)
Vídeos NTMAD (You Tube)
Trás-os-Montes e Alto Douro
Grupo Publico da CTMAD
Grupo dos socios da CTMAD



As nossas Festas


EVENTOS E ESTUDOS

III Congresso de TMAD
Nova Sede da CTMAD - a primeira pedra em Belém
Estudo Sobre o Crescimento e a Crise da Região
O associativismo regionalista transmontano

Festival de Gastronomia TMAD do Porto
Região Demarcada do Douro
Terra Olea (olivicultura)
Cão de Gado Transmontano
Gado Asinino
Viagem pelo Rio Sabor (I) - À procura da nascente
Viagem pelo Rio Sabor II - Da nascente à foz
Projecto Arqueológico da Região de Moncorvo
Centro de Estudos Antonio Maria Mourinho
Lhengua Mirandesa
Sítio de I Mirandés
DICIONARIO de Mirandês online
Mirandés Net
Froles Mirandesas
Al ciêntificu eilustradu
Al Balhe de la Baglina
VOCABULÁRIO Trasmontano
Retratos e Transfigurações
Genealogia (DGARQ)
Portuguese Genealogy (Candido)
Portuguese Genealogy (Holmes)
Cemiterio Judeu
Sephardim.com
Os Judeus em Trás-os-Montes
Arquivo Distrital de Bragança"
Arquivo Distrital de Vila Real
Arquivo Distrital da Guarda"
Arquivo Distrital de Viseu"
Catálogo geral de livros (UTAD)
Projecto Gutenberg
Domínio Público Brasileiro


MEDIA REGIONAIS

Região Transmontana TV online
TV de Barroso
Mirandela TV
Vila Real TV
Douro TV

Radios online

Radio Larouco

A Voz de Trás-os-Montes
A Voz do Nordeste
Diario de Tras-os-Montes
Douro Hoje
Folha D'Ouro
Jornal Nordeste
jornal o povo de barroso
Mensageiro Notícias
Notícias de Chaves
Noticias do Douro
Noticias do Nordeste
Noticias de Vila Real
O Cardo
Ribeira de Pena online
Semanário Transmontano
Terra Quente


PORTAIS TRASMONTANOS

BCD
Douronet
Espigueiro
Nordeste Digital
Trás-os-Montes
Zona Mais


Câmaras Municipais

Distrito de Bragança
Distrito de Vila Real
Distrito da Guarda
Distrito de Viseu


REGIÕES DE TURISMO

Alto Tâmega e Barroso
Douro Sul
Nordeste Transmontano
Serra do Marão


REINO MARAVILHOSO (I Parte)




ROTEIROS TURÍSTCOS

Rota da Castanha
Rota da Terra Fria
À Procura do Nordeste Transmontano
À Descoberta
Ansiães Aventura
Rio Tua
Ares da Minha Terra
Distrito de Bragança
Parque do Douro Internacional
Distrito de Vila Real
Boticas
Roteiros do Douro
Margem Esquerda do Douro
Margem Direita do Douro
Vista para o Douro
Douro Sul
Aldeias Vinhateiras (Douro)
As terras do Távora
Aldeias de Riba Côa
Gravuras de Foz Côa
Roteiro Vale do Côa e Além-Douro
Quinta da Erva Moira
Sabor a Douro
Rota dos Túneis
O Douro...nos caminhos da literatura
A boa vida de Marialva



REINO MARAVILHOSO (II Parte)




PAISAGEM E PATRIMÓNIO

Alto Douro Vinhateiro Património Mundial
Alto Douro Vinhateiro (fotos)
Arte Sacra na Diocese de Bragança
Barroso
Cerâmica Artesanal no distrito de Bragança
Vale do Côa e Alto Douro
Linha do Corgo
Linha do Douro
Linha do Sabor
Linha do Tua
Linha é Tua
Vale do Tua
Museu do Ferro
Património Arquitectónico Distrito de Bragança
Fotos do distrito de Bragança
Fotos do distrito de Vila Real
Fotos do distrito de Vila Real II
Fotos de Lamego
Fotos de S. João da Pesqueira


GRAVURAS DE FOZ CÔA




A NOSSA TERRA

Abrecovo
Adeganha
Aguas Frias
Aguas Vivas
Aguieiras
Alfandega da Fe
Algoso
Alijó
Arcas
Argemil da Raia
Argozelo
Argozelo II
Aveleda
Azibo
Barcos
Belver
Bemposta
Benlhevai
Bragado
Bruçô
Brunhoso
Cabril
Caçarelhos
Caçarelhos II
Cachão
Caldas de Aregos
Cambeses do Rio
Campeã
Campelos
Campo de Víboras
Cancelas
Candedo
Canedo
Carção
Carrazeda de Ansiães
Carviçais
Carviçais (forum)
Castedo (forum)
Castedo do Douro
Castelãos
Castelões
Castelo Branco
Celeirós do Douro
Chacim
Chaves
Chaves antiga
Coelhoso
Corujas
Dues Eigrejas
Eiras
Ervedosa
Especiosa
Fafião
Faiões
Favaios
Felgar
Felgueiras
Ferral
Fervidelas
Fiães do Rio
Fiolhoso
Fonte de Aldeia
Fontelonga
Frechas
Freixiel
Freixiel (freguesia)
Freixo de Espada-à-Cinta
Genísio
Gimonde
Gralhas
Grijó de Parada
Junqueira
Lagoaça
Lamalonga
Lamas de Podence
Lamego
Larinho
Larinho (blog)
Lavradas
Linharelhos
Loivos (Chaves)
Longroiva
Maçores
Marialva
Mazouco
Mesão Frio
Meixedo
Miranda do Douro
Miranda do Douro (Voilà)
Mirandela
Mogadouro
Mogos
Moimenta
Moncorvo
Montalegre
Montalegre (blog)
Morais
Mós (Foz Côa)
Mós-Douro.com
Mós do Douro
Mós (Moncorvo)
Mós (freguesia)
Murça
Ormeche
Ousilhão
Outeiro
Outeiro Seco
Padroso
Palaçoulo
Parada de Monteiros
Paradela
Paradela de Ansiães
Paradela de Monforte
Parambos
Parâmio
Paus
Peirezes
Pensalvos
Peredo dos Castelhanos
Picote
Pinhão
Pitões das Júnias
Pitões das Júnias (freguesia)
Pombal de Ansiães
Porrais
Prado Gatão
Provesende
Queimada
Rebordaínhos
Rebordaínhos (ASCRR)
Rebordelo
Ribeira de Pena
Ribeira de Pena (Terras de Pena)
Rio de Onor
Salselas
Salzedas
Sanfins do Douro
Santa Valha
Santalha
Santo Aleixo de Além-Tâmega
Santulhão
S. Joanico
S. João da Pesqueira
S. Mamede de Ribatua
S. Martinho de Angueira
S. Pedro dos Serracenos
S. Vicente da Raia
Segirei
Sendim
Serapicos (Vimioso)
Sernancelhe
Tabuaço
Tabuadelo
Tarouca
Torgueda
Torre de D. Chama
Tourencinho
Travancas
Trevões
Tua
Ucanha
Urrós (Mogadouro)
Uva
Valdigem
Vale de Anta
Vale de Figueira
Vale de Frades
Vale da Porca
Valença do Douro
Valpaços
Valpaços (Notícias)
Vidago
Vieiro
Vila Flor
Vila Real
Vila Verde da Raia
Vilar de Izeu
Vilar de Perdizes
Vilarinho de Agrochão
Vimioso
Vinhais
Vinhós
Zêdes
Zenízio


NORDESTE TRANSMONTANO



ARTE TRASMONTANA

Associação Amigos das Artes de TMAD
Antonio Afonso (Toninho)
Carlos Botelho
Balbina Mendes
António Pizarro
Eurico Borges
Graça Morais
José Augusto
Nadir Afonso
Rui Rodrigues
Peripécia Teatro
TEB
Teatro de Vila Real
Urze Teatro


MÚSICA TRASMONTANA

Banda de Música de Mogadouro
Banda de Música de Sanguinhedo
Banda de Música de Vilarandelo
Caramonico
Caretos de Podence
Caretos de Salsas
Concertinas de Lamego
Federação Transmontano Duriense de Bandas Filarmónicas
Galandum Galundaina
Guitarras de Portugal
La Çaramontaina
Lenga Lenga
Mar de Pedra
Pica Tumilho
Grupos de Pauliteiros de Miranda
Pauliteiras de Valcerto
Pauliteiros de Miranda do Douro
Pauliteiros de Miranda (Lisboa)
Rancho Folclórico Flor d!Aurora
Rancho Folclórico da Casa do Povo de Godim
Rancho Folclórico de Guiães
Rancho Folclórico de S. Tiago (Mirandela)
Rancho Folclórico de Vila Real
Rancho Folclórico de Vimioso
Zés Pereiras de Castedo do Douro


CANTORES TRASMONTANOS

Adelia
Emanuel
Roberto Leal

referências

OUTROS LINKS

If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



2007.06.17
EDITORIAL



Caros Amigos e Associados!

 

Os tempos que correm não mostram facilidades e a nossa CTMAD, para não fugir à regra, assiste, triste e desolada, à indiferença e até abandono de alguns associados que, parecendo incapazes de compreender as limitações, a maioria das quais são exteriores à Casa e alheias à Direcção, ou até de as aceitar, desistem com facilidade de aqui vir e uma boa quantidade esquece-se de lhe proporcionar os reduzidos meios a que se obrigaram.

 

A CTMAD, para além das festas anuais, não dá muito mais aos seus associados não porque falte vontade aos órgãos sociais mas, se bem ponderarem, hão-de reconhecer que as circunstâncias do espaço em que nos encontramos, a necessidade de preservar o descanso dos vizinhos e a pequenez das instalações impedem-nos de provocar movimentados convívios, de proporcionar lazer e diversão a partir dos quais se pode desencadear a receita que assegure as despesas e autonomia da Casa.

 

A Casa atravessa um período de excepcionais dificuldades e, ante elas, não lhes podemos virar as costas e por isso, com a vossa ajuda, assim o espero, estou certo que iremos ultrapassá-las apesar de, no mês de Abril, só se terem apurado 870 euros de quotas e no de Maio de 600.

Ora, como despesas mensais fixas temos, em salários e jornal, 1 600 euros mais as de água, luz, electricidade, correio e telefone, que são variáveis e são satisfeitas com a exploração do bar, digam-me amigos e associados que exercícios de engenharia financeira não teremos de fazer para manter esta Casa.

 

O elevador já funciona e, ante esta assinalável melhoria, bem espero que os associados regressem à casa e aqui venham, entre o mais, fazer as partidas de sueca, de damas, de xadrez e tudo o mais que entenderem dentro do racional convívio que a Casa Consente,

Para as senhoras bem poderá aqui haver lugar a um chá, dizer poesia, fazer uma reunião de amigas ou até de fazer trabalho voluntário a favor da CTMAD e da Região, nomeadamente, gizar a estrutura e modelo do IV Congresso Trasmontanoduriense pois já há muita gente a desejá-lo.

Interessante seria ver as mulheres da Nossa Terra a definirem os cordelinhos da magna assembleia da região e mostrarem que têm uma Alma Grande, apesar da Igreja, só no Concílio de Trento, em 1473, haver reconhecido que também a tinham.

 

E agora, que a meta da Regionalização ressuscitou, bem se pode apanhar o comboio e embarcar nessa aventura que é de e para todos nós tanto mais que já se ouvem os clamores dos antigos e egrégios Trasmontanodurienses e já se levantam as vozes que a reclamam.

O Congresso bem pode ser um instrumento valioso e um areópago onde se suscitem as questões próprias da regionalização com o acrescido conhecimento sobre a mesma.

Por isso amigas e amigos venham dar o vosso contributo, juntem-se ao Conselho Regional e ajudem a levantar a voz da Região e da CTMAD.


Posted at 11:57 by ntmad
Make a comment  

NOTÍCIAS DA CTMAD DE GUIMARÃES



É um facto que todas as Casas Regionais de Trás-os-Montes e Alto Douro espalhadas por Portugal e pelo estrangeiro não têm primado pelo diálogo e pelo intercâmbio, pese embora a criação, em 8 de Setembro de 2001, de uma Federação destinada a defender e valorizar a Região de Trás-os-Montes e Alto Douro e a manter os laços de solidariedade e de fraterna amizade e convívio entre todos os transmontanos e altodurienses.


É por isso que constituiu uma agradável surpresa a recepção do jornal da CTMAD de Guimarães - "ALÉM MARÂO – antes quebrar que torcer", mantendo-se, por esta via, ao menos, um laço de amizade que importa preservar e salientar.


Vêm-nos notícias da posse dos novos corpos sociais para o ano em curso, sendo a mesa da A. G. Presidida por Manuel Eusébio Macedo Ribeiro e a Direcção por Joaquim Silva Coutinho, informações acerca da programada visita anual a um concelho da Região, neste caso a Macedo de Cavaleiros, a referência elogiosa à C. M: de Vinhais por ter sido a única autarquia a apoiar a "CTMAD" de Guimarães, uma curiosa proposta de um pic-nic na praia, etc.


Oxalá a vitalidade da "CTMAD" de Guimarães perdure e seja exemplo para as demais Casas Regionais. Para além de votos de bom labor, a "CTMAD" de Lisboa expressa à sua congénere de Guimarães a sua solidariedade regionalista, ficando ao seu dispôr para a realização de eventuais acções conjuntas em prol do desenvolvimento da nossa Região.


Posted at 09:58 by ntmad
Make a comment  

1 DE JUNHO - DIA MUNDIAL DA CRIANÇA



Esses olhos de sonhar, criança, deviam provocar a insurreição das consciências nos países ricos do norte.


Não basta termos bons sentimentos, termos sido bons e sabedores. O saber e o sentimentosolidário para com o nosso semelhante, para grande parte da Humanidade que vivena mais extrema miséria, deverá traduzir-se em acções que projectem, com carácter de urgência, um mundo bom.


Porque, este mundo, onde a voragem do lucrosem limites, por uns tantos predadores, que impiedosamente destroem Estado após Estado, devastam a natureza e os seres humanos, enchem-nos de vergonha. O Império da vergonha atinge vertiginosamente a ignomínia.


A 3 de Agosto de 1999, duas crianças, de 14 e 15 anos, com olhos de sonhar, no desespero dos seus aflitivos e desesperançosos dias de adolescentes africanos, sonharam a Europa. Numa madrugada de um sol nascente avermelhado, o Boeing 747 da Sabena aterrou às 6H15 no aeroporto de Bruxelas-Zaventem. Um controlador de fato-macaco branco deu volta ao aparelho e descobriu no tem de aterragem dois corpos de adolescentes negros, encolhidos, enregelados, vestidos apenas com uns simples calções, umas sandálias e uma camisa de manga curta. Estiveram expostos a temperaturas exteriores de 50 graus negativos. No bolso da camisa de um destes pequenos guineenses encontraram uma folha cuidadosamente dobrada. Essa ingénua carta dizia:

- " Portanto se virem que nos sacrificamos a arriscarmos a vida é porque sofremos demais em África e precisamos de vocês para lutar contra a pobrezae para pôr fim à guerra em África. Porém nos queremos estudar e pedimos que nos ajudem a estudar para sermos como vocês em África.

Finalmente pedimos imensa desculpa por termos ousado escrever esta carta a pessoas como os senhores, tão importantes, por quem temos tanto respeito. E não se esqueçam de que é a vocês que devemos queixarmo-nos da fraqueza da nossa força em África".

O Gabinete Europeu das Nações Unidas publicou o fac-símile desta carta, cf. E/CN.4/2000/52, Genebra, 2000.


Desde então, a voragem da mundialização multiplica por milhões as suas vítimas flutuando agonizantes num oceano imerso de miséria, com algumas ilhotas de prosperidade, riqueza e de indiferença aqui e ali.


Entre o dilema de morrer esperando a morte ou afrontá-la com uma réstia de esperança, muitos dos esfomeados da terra tentam atingir a "terra prometida".


Na fronteira do México com os EUA, nas redes electrificadas com extensão de quilómetros, no rio controlado pelos "rangers", no deserto desolador, morrem milhares de mexicanos e sul-americanos.

No Mediterrâneo e no Atlântico afundam-se barcaças repletas de africanos subsarianos, tendo mesmo sido encontrada à deriva, bem longe no Atlântico, uma barcaça com cadáveres mumificados.


Muitos destes africanos atingem a costa espanhola, a costa italiana, as ilhas Canárias, etc. As equipas de saúde tratam-nos e são depois devolvidos aos seus países onde tentarão de novo alcançar a "terra prometida" porque a fome não é, nunca será, o destino de um homem.


Falemos então dos que vão morrer de fome e suas consequências
directas.


"Prouvera a Deus que eu não soubera tanto", como disse Pessoa, mas sei. E o que sei, não sendo tudo, é já estarrecedor.


Todos os sete segundos, na Terra, uma criança abaixo dos dez anos, morre de fome. Isto é, se eu, se tu, fizermos uma inspiração profunda, ao expirarmos o ar, mais uma criança, algures, morreu de fome. Oiçam como eu respiro: um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete. Ininterruptamente, a este ritmo, morre de fome uma criança.


Segundo o Relatório de 2000 da FAO (Organização das Nações Unidas para a alimentação e a agricultura), em cada dia, no Planeta Terra, a nossa Casa Comum morrem de fome e suas consequências imediatas cerca de 100 000 seres humanos (Cem mil silenciados massacres). 826 milhões de pessoas estão hoje em dia crónica e gravemente sub-alimentadas. Destas, 34 milhões vivem nos países economicamente desenvolvidos do Norte. 515 milhões vivem na Ásia, representando 24 por cento da população e 186 milhões destes seres humanos vivem na África subsariana, numa percentagem de 34 por cento de população. E destes, segundo a FAO, grande parte sofre de "fome extrema".


Sabemos que uma criança com graves carências alimentares desde o nascimento (e gestação) até aos 5 anos, sofrerá sequelas para o resto da vida porque a fome severa, sofrida nos primeiros anos, provoca danos irreparáveis nas células cerebrais.

São os milhões de cranças a que Régis Debray chama "os crucificados à nascença".


E tudo isto se passa num planeta a transbordar de riqueza.


Segundo os especialistas da FAO a Terra poderia alimentar "normalmente" 12 mil milhões de seres humanos, fornecendo-lhes o equivalente às 2700 calorias necessárias por dia. A população mundial actual é pouco mais de 6 mil milhões.


Em contrapartida, nos chamados países ricos, onde os subalimentados são 34 milhões, as doenças cardiovasculares fazem cada vez mais vítimas devido à alimentação excessiva e, a obesidade, designadamente a infantil, tornou-se um problema de saúde pública.


Os alimentos-desperdícios dos ricos, que vivem fortificados, prisioneiros das suas próprias riquezas, são ansiosamente procurados por crianças nas montanhas de detritos nos arredores de Manila, conhecidas por Smokey Mountains, nas "barrilladas" do Perú, nos arredores de Carachi e de outras grandes cidades da Ásia...


Enquanto isto, em vários países ricos, um quarto dos cereais produzidos no mundo é todos os anos utilizado para alimentar milhões de bois e de vacas que se irão transformar em super/maxi/hamburguers.

 

Os 225 patrimónios privados mais elevados do mundo atingem em conjunto 1 bilião de dólares. Esta soma corresponde ao rendimento anual acumulado dos 2,5 mil milhões de pessoas mais pobres do Planeta, ou seja, 47 por cento da população total.


No Brasil, 2 por cento dos proprietários fundiários detem 43 por cento das terras aráveis. Quatro milhões e meio de famílias de camponeses sem terra vagueiam humilhados e miseráveis pelas estradas desse imenso e rico país.


Empresas transcontinentais detêm, só por si, 555 mil milhões de dólares de reservas e os seus meios ultrapassam as suas próprias capacidades de investimento. Distribuem aos seus accionistas dividendos fabulosos e aos seus gestores gratificações astronómicas.

Grande parte destas informações, limitadas por retratar de um artigo, foram recolhidas em livros da autoria de Jean Ziegler, Relator Especial da Comissão dos Direitos do Homem (das Nações Unidas), sobre o Direito à Alimentação.

Este autor é um combatente da esperança. E exorta-nos à esperança, actuante. Porque perante o escândalo destas e doutras verdades, ninguém pode ficar indiferente e passivo.


Teremos que agir.


Deus não tem outras mãos senão as nossas.


Para melhor conhecer Jean Ziegler ler:

"A fome no mundo explicada ao meu filho", da Terramar;

"Os Novos Senhores do Mundo e os seus opositores" da Terramar;

"O Império da Vergonha", da ASA.

 

"Gritos contra a Indiferença", de Fernando Nobre, Presidente da AMI, Edição do Autor e Temas e Debates, é outro livro essencial.

 


Posted at 09:47 by ntmad
Make a comment  

2007.06.16
CONVÍVIO ANUAL DOS AMIGOS DE CERVA E LIMÕES

por Sofia Miranda


Mais um ano…mais um mês de Maio…mais um convívio de naturais e amigos de cerva e Limões. Parafraseando Camilo Castelo Branco numa das suas obras: “ali reuniu-se connosco uma estúrdia, que vinha dos lados de Cerva (…)”.

Apesar do S. Pedro (santo padroeiro da nossa terra) não ter estado do nosso lado, este foi sem dúvida o melhor convívio que realizámos. Há quatro anos atrás, um cervense convicto de que a sua terra é a mais bonita de Portugal, teve um momento de luz ao pensar nestes almoços de confraternização. Finalmente, a sua perseverança foi reconhecida e recompensada!

No decorrer destes anos, tem sido visível o crescendo de pessoas que a nós se tem juntado e este ano fomos surpreendidos com cerca de 200 conterrâneos acompanhados de familiares e amigos. O local escolhido foi o restaurante “Casa da Azenha”, sita em Vale de Lobos, propriedade de um amigo e conterrâneo que nos presenteou com enorme simpatia e hospitalidade.

A nossa casa transmontana, também, esteve representada por dois membros da direcção que aplaudiram e apelaram a mais iniciativas do género. Quem esteve presente pôde testemunhar a emoção e comoção daqueles que por circunstâncias e acasos da vida, não se encontravam há muitos anos.

Estes eventos não têm idade e os mais novos ouviram histórias de outros tempos e partilharam a alegria daqueles que rejubilavam ao relembrar um passado de outrora. Mas a lembrança deu lugar à alegria e após um repasto “regado” com vinho morangueiro, seguiram-se as cantorias…os hinos de Cerva e de Vila Real que nos desculpem alguma falha!!!



O entusiasmo era grande e num ápice surgiram concertinas, acordeões, castanholas e canções de fazer lembrar outros tempos que se prolongaram por toda a tarde, fazendo terminar mais um belo convívio. Ansiosos, ficaremos a aguardar mais um ano, torcendo para que mais conterrâneos e amigos se juntem a esta iniciativa, valorizando as origens de cada um.

Até para o ano…


Posted at 10:02 by ntmad
Make a comment  

2007.06.15
SÍNTESE DA CONFERENCIA "INTERIORIDADES E DESAFIOS PARA PORTUGAL"

por João Manuel Sampaio 



Nuno Aires, Presidente da Casa de Trás-os-Montes, na apresentação de Adriano Moreira, foi feliz ao dizer que Adriano Moreira, "é um cidadão que é de todo o mundo", e não só de Trás-os-Montes e de Portugal.


Sem se esquecer de dizer que a nova Casa prevista, ainda está no sonho, Nuno Aires, agradeceu o apoio da autarquia lisboeta na cedência do espaço para mais um evento, e depois desfiou um conjunto de factos que fazem de Adriano Moreira, um transmontano de Grijó, Macedo de Cavaleiros, um dos pensadores portugueses mais lúcidos que importa ter em conta, neste momento de mudança de paradigma fronteiriço nacional.




"O estado ainda não se organizou para as várias fronteiras que o país tem, país que mudou de maneira radical" e, por isso, muita coisa há a mudar, e o país tem de dar uma resposta às novas fronteiras", disse-o Adriano Moreira.


"O País precisa de vistas largas", face à nova realidade que está perante os olhos de todos, disse o Professor, referindo-se ao tema em análise que mereceu a atenção de mais de meia centena de transmontanos e não transmontanos que o ouviram, alguns dos quais tiveram a oportunidade de jantar na Casa e participar no descerramento de um quadro com a imagem do Professor de Grijó, que hoje é já cidadão do mundo, elaborado por António Afonso, de Bragança.


"O rei, era o rei das três regiões. Ele sabia-o, não sei se o senhor Presidente da República não terá de ser confrontado que vai ser Presidente das três regiões". Adriano Moreira começou a sua conversa trazendo à reflexão, pela positiva, a obra de Manuel Cardoso acabada de editar, Um Tiro na Bruma (um romance histórico-policial que retrata a sociedade portuguesa no início do Séc. XIX ). Disse que aproveitou também para reler a Queda de Um Anjo de Camilo Castelo Branco, que caracteriza a classe politica, e Frei Bartolomeu dos Mártires, e depois ficou a pensar de quantas lágrimas é feito cada viveiro em Trás-os-Montes, ocorreu-lhe pensar na interioridade e que por vezes se fala de interioridade para se questionar o desenvolvimento, salientando que "nesta data estão a ser reeditados os livros mais pessimistas da época". Falou de alguns autores como Mouzinho, Antero, falou de Guerra Junqueiro e José Gil, do "medo de existir" e a dado passo, com a lucidez que o caracteriza, disse que "alguma resposta tem de ser dada. Tem de se ter vontade de viver e resistir ao pessimismo".


A interioridade, pobreza, periferia e fronteiras, foram outros conceitos que mereceram a análise do ex- Ministro do Ultramar a quem lhe coube o mérito de acabar com a abolição do indigenato, e que, a dado passo da sua partilha de conceitos, afirma que "a macroeconomia já não pertence à soberania portuguesa e será que a população saberá disso?" perguntou, afirmando com toda a clareza, que "estamos a viver a crise financeira mais severa de sempre", mas a racionalização tal como está a ser feita, como um pacto de orientação não está imune. Virando-se para o interior, afirma, "quando fecham as escolas, os serviços, estamos em fase de desistência", "pois, com a quebra da natalidade, da mão de obra, e de outros factores, leva a que o país entorne para o Atlântico e o interior se desertifique. Está-se a assistir ao choque entre a racionalização e a desistência da interioridade". Na década de 70 apostou-se na educação através dos politécnicos, para que não se imigrasse e se ficasse, só que a economia não se desenvolveu para sustentar a massa cinzenta, e assiste-se a "que com os politécnicos não se fabricou os melhores ficantes mas melhores imigrantes".




Adriano Moreira mostrou-se não concordante com a ideia do ser periférico. "No globo tenho dificuldades de me ver periférico. Nós não somos periféricos. O Atlântico não nos deixa na periferia", e por isso, defendeu, que "a nossa resposta está na qualidade, na investigação e no ensino". Mas, vai mais longe, considera mesmo que "tem de se ver o financiamento para a investigação e ensino, como gastos de sobrevivência".


Houve uma mudança de paradigma e a universidade tem de ser vista como universal e as novas competências têm de ser para um país que mudou de fronteira, entre o Atlântico e os Urais. Adriano Moreira falou ainda do ser português e o como este conceito é assumido pelos vários dizentes. Para um é ser natural de Portugal. Para outro é respeitar a soberania portuguesa, para os novos imigrantes é cumprir a constituição. Tudo isto tem de ser equacionado e não se pode adiar.


"A identidade do país e os valores não podem ser abandonados, a filosofia, a filosofia dos valores, a história, a nossa ciência, não podem ser abandonados", senão corremos o risco da desistência. Investiu-se mais em humanidades do que no que o país precisava, por isso há desemprego", veja-se que existem 22 faculdades com Direito e 3 mil alunos licenciados por ano e já não há Ultramar.

Mas antes Adriano Moreira referiu-se ainda à questão da pobreza, e "a solução para ela era a imigração. Temos de pensar o que aconteceu ao País durante o século XX. Os transmontanos tinham vizinhos e têm: os espanhóis. As fronteiras eram sagradas mas com a adesão há Europa mudaram de natureza.

As fronteiras deixaram de ser sagradas. Agora são múltiplas e pontos administrativos, nomeadamente, a Nato, a União Europeia, a CPLP". E a noutro momento conclui que o Estado ainda não se organizou para as várias fronteiras que o País tem. Muita coisa há a mudar e o país tem de dar uma resposta às novas fronteiras. O nosso país precisou sempre de apoio externo". E o professor lembrou, o caso de Afonso Henriques, que foi pedir apoio e que nunca pagou as onças de ouro ao Papa. Hoje já se fala da Raia sem fronteiras. Badajoz tem a melhor biblioteca sobre o Alentejo, disse. Isto tem de nos fazer pensar.


Outra questão que mereceu uma atenção de Adriano Moreira, é a de que hoje em dia a população sabe das decisões pelos efeitos, são decisões furtivas. Nomeou-se o Ministro do Mar e desapareceu a frota. Antigamente havia o conceito estratégico da sustentação, era o caso dos silos que desapareceram: centeio, milho, girassol e tomate, por exemplo. Em Trás-os-Montes o nível de abstenção mostra o afastamento, a distância entre a população e governo. Lembrou o caso de como se vai à Província buscar o voto.

Durante 60 minutos, Adriano Moreira passou de forma transversal por vários temas que cativaram os presentes, entre os quais se destacava Maria de Jesus Barroso, entre outras figuras gradas que assistiram ao desfiar do pensamento de um transmontano cuja cidadania é internacional, a quem se deve dar mais atenção porque os seus oráculos têm muita pertinência, numa altura em que as fronteiras de Portugal, hoje, são outras, como o Professor afirma, vão do Atlântico aos Urais e já não se confinam ao rectângulo que aprendemos a desenhar.

 

                                                                                                      


Posted at 04:23 by ntmad
Make a comment  

CONFERÊNCIA "INTERIORIDADES E DESAFIOS PARA PORTUGAL"

APRESENTAÇÃO DO CONFERENCISTA, SR. PROFESSOR ADRIANO MOREIRA, PELO PRESIDENTE DA CTMAD

 

 

Sr. Professor Adriano Moreira, Ex.mas autoridades, Caros Convidados, Minhas senhoras, Meus senhores, Caros associados e Amigos!

 Sr. Professor Adriano Moreira!

 

Quando há um ano lhe dirigi o convite para apresentar um trabalho na CTMAD seguro estava das significações que ele representaria para o Sr. Professor e ciente estava do conforto e satisfação, honra e orgulho que a Direcção da CTMAD e de todos os associados sentiriam com a Presença do Sr. professor neste palácio que, de momento, assegura este encontro Trasmontanoduriense.

O nosso muito obrigado!

 

O Sr. Professor já não precisa de apresentações pois tão grande e conhecido é o seu prestígio e percurso de humanista, de politico, de intelectual e professor universitário.


Mas, nestas sessões cívicas e didácticas, recomenda-se que se faça a apresentação do orador e, cabendo-me essa tarefa, quero aqui e agora manifestar-lhe o nosso muito grande apreço, o nosso carinho e admiração e, pessoalmente, é com grande satisfação e orgulho que farei uma breve síntese do seu currículo.

 

O nosso Professor, seja-me permitido este pequeno mas carinhoso mimado abuso, nasceu em 6 de Setembro de 1922, em Grijó, que já não é de Vale Bem Feito, que fica a uns ¾ km de Macedo de Cavaleiros, e, no seu recente dizer, " menino e moço", pela mão de seus pais, veio para Lisboa onde, depois dos estudos primários e secundários, se licenciou em Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa;

Logo em 1944, com 22 anos, ingressou no corpo docente da Escola Superior Colonial que, pela sua mão, havia de passar a ser o actual Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas da Universidade Técnica de Lisboa.

Nesta Escola Superior autonomizou o ensino da Ciência Politica, das Relações Internacionais e da Estratégia e foi seu Director durante 12 anos e depois Presidente do Conselho Científico até à jubilação.

 

É Doutor por aquele Instituto e Doutor em Direito pela Universidade Complutense de Madrid.

 

É professor de Relações Internacionais, há cerca de 40 anos, no Instituto Superior Naval de Guerra,

 

Da Escola de Comandos e Estado-Maior

 

Da Universidade Católica do Rio de Janeiro onde organizou o Instituto de Relações Internacionais e de Direito Comparado, o conhecido IRICO.

 

É Professor da Universidade católica Portuguesa e

 

Professor Emérito da Universidade Técnica de Lisboa.

 

É Doutor Honoris Causa pelas Universidades Aberta, da Beira Interior, Manaus, Brasília, S. Paulo e Rio de Janeiro.

 

É membro da Academia Brasileira de letras, da Academia de Ciências de Lisboa, da Academia da Marinha, da Academia de Ciências Morales Y Politicas de Madrid e da academia Portuguesa de História.

 

Foi Ministro do Ultramar entre 1961/63 em cujo mandato se notabilizou.

A este propósito não resisto em renovar o que há um ano disse pois não perdeu actualidade:

Mas, se é como político que, na Nossa Terra, porventura é mais conhecido, não deixam, contudo, de as suas principais obras políticas serem das mais desconhecidas.

 

O salto na história foi grande e bom e a frenética erosão dos tempos que vivemos ajudaram a esquecer muita da sua obra.

 

Mas, a CTMAD, fiel aos seus princípios e propósitos, não quer deixar morrer esse passado nem esquecer a obra feita por V. Ex.a.

 O Sr. Professor é um Criador, olha sempre para o futuro longínquo, e só os Criadores resistem à mediocridade das humanas minudências e atravessam a imorredoira História.

 

Por isso, se hoje já estão esquecidas até por aqueles que das suas obras beneficiaram, quero, mais uma vez, trazer à colação e memória desta magna assembleia para que, de futuro, não devam ser esquecidas e sobretudo para que se possa admirar, mais uma vez, a riquíssima personalidade do Sr. Professor Adriano Moreira:

Refiro-me:


1.À criação das Universidades de Luanda e Lourenço Marques, centros de cultura e ciência que permitiram a formação das elites de Angola e Moçambique com as consequentes e óbvias implicações;


2.Instituição do Código de Trabalho Rural, o mais avançado de toda a África, que introduziu a proibição do trabalho forçado;


3.A abolição do Indigenato com o que pôs termo à distinção entre indígenas e assimilados com os conhecidos reflexos ao nível da miscigenação;


4.Promoção da consulta às figuras gradas do regime no sentido de alteração da política para o ultramar conjecturando uma possível federação do que hoje se designa por países lusófonos no que foi apoiado por Marcelo Caetano e Sarmento Rodrigues.


5.À acção desenvolvida nas reformas introduzidas no actual INSTITUTO SUPERIOR de CIÊNCIAS SOCIAIS e POLÍTICAS facto bem conhecido e reconhecido por todos os académicos

Para além destas obras politicas de grande significação humana e social o seu pensamento pode ser encontrado nas seguintes obras didáctico/pedagógicas:

" A Europa em Formação" Lisboa 1974;

"Ciência Politica" Lisboa 1979 e

"Teoria das Relações Internacionais"

Sem esquecer, obviamente, os trabalhos avulsos em jornais e revistas, conferencias, debates televisivos e sobretudo pela riqueza humana que o seu convívio nos dá.


Muito obrigado, a palavra para o Sr. professor Adriano Moreira!

 


Posted at 02:28 by ntmad
Make a comment  

2007.06.14
À MEMÓRIA DE CONSTANTINO, TRASMONTANO E REI DOS FLORISTAS ! - 3ª Parte*

 

No dia seguinte apresentou-se o bom Constantino no palácio real e, mais uma vez recebido pela Rainha que, sem rodeios, exclamou:

Sr. Constantino, ficaremos com as duas coroas, porque as vossas flores são tal qual as naturais. Uma única diferença as separa, as naturais murcham, as vossas não. Magnifico, magnifico!

 

Ante tão prestigiante escolha os empregados da loja ficaram, mais um vez encantados e, sem olhar a meios, depressa puseram a circular a notícia que, para admiração dos parisienses e estrangeiros, foi primeira página dos principais jornais diários.

 

O Sr. Isidore Culot, no dia seguinte, emocionado, entra a correr na oficina e, de olhos a saltarem-lhe da cara, atira para cima da mesa de Constantino um molho de jornais e exclama:

Mestre Constantino, veja, veja! Toda a imprensa diária traz, em grandes parangonas, a notícia e, mais, reproduz as palavras da Rainha acerca das flores que o mestre faz, dizem até que a fama do mestre já chegou à América e que os americanos ricos querem comprar toda a produção.

 

Constantino, ante tão promissora notícia, decide de imediato dar mais um passo e, sem se emocionar, responde-lhe:

- Sr. Culot, apesar de termos já trinta empregados, esta loja não responde ás necessidades, é preciso encontrar outro espaço que garanta melhores condições de trabalho e sobretudo que tenha boas montras e tornem as nossas flores mais visíveis. Vi uma que me satisfaz na Rua de Santo Agostinho, há dinheiro, deve-se investir. É preciso remodelar e fazer novas flores

- Mas, mestre, como responderão os empregados e os fornecedores, o que hoje é bom amanhã poderá não o ser, não será melhor esperar mais um pouco?

- Não Sr. Culot, os empregados responderão bem, aos fornecedores paga-se o que se lhe deve e partiremos para uma nova etapa. Mas, o Sr. Culot parece não acreditar.

 - Olhe, vem a propósito, ando há um bom par de dias para lhe colocar uma questão, propor-lhe a compra da sua quota.

 - Repare o Sr. não vem aqui, de flores nada percebe, também já tem alguma idade, proponho-lhe ficar com a sua quota, dou-lhe os lucros apurados mais o dobro do capital que investiu. Que me diz?

- Mas, mestre Constantino, agora que o negócio está bom é que o Sr. quer pôr-me na rua? Haja moral, que ingratidão!

- Não Sr. Culot, não é o dinheiro, o Sr. não me conhece, nem conhece os artistas, não me compreende, jamais perdoaria a mim mesmo se esta minha opção fosse desencadeada por dinheiro. Repare, eu sou um artista como muitas provas já dei, e, felizmente, bem sucedidas. Preciso de liberdade para me inspirar e criar, preciso de olhar, ver, observar, fazer experiências, quero viajar, conhecer novas tintas, novos perfumes, novas essências e para isso não posso ter limitações. Preciso de independência Sr. Culot e acredite que, suceda o que suceder, estarei eternamente grato ao seu gesto e à sua ajuda.

E, se fizesse todo este meu trabalho e criação, mesmo com o seu consentimento, estaria sempre a pensar que estava a gastar o seu dinheiro. Ora, pelas minhas aparentes loucuras e criativas extravagancias só eu posso responder. Faço-lhe esta proposta com grande respeito e consideração por si! Pense bem Sr. Culot, não me julgue mal!

- Além do mais, vem aí a exposição de Paris, todos os artistas vão estar presentes e o mundo inteiro vai estar de olhos postos aqui. E, com tempo, gostava de ir em busca de novas experiências, novas tonalidades, outra policromia, tenho de surpreender tudo e todos, quero criar, quero ter a admiração de todos, quero projectar o meu ser, o meu País, quero a glória, percebe Sr. Culot?

O Sr. Culot, impressionado com a velocidade da resposta assim como a tranquilidade e encanto com a pose que Constantino assumia, ponderando um pouco, e dizendo que sim, justificou-se:

- Mestre, estou com setenta anos, estou bem de vida, de flores nada percebo e apostei em si por que via que, na casa do Sr. Flamet, andava silencioso e triste. Eu sabia que o senhor era um artista e não gosto de ver os artistas tristes, como que atrofiados. A arte é sublime, divina, deve ser apoiada! Olhe, boa sorte, prepare a escritura e diga-me qual o notário e a hora a que lá devo estar.

 

Constantino, feliz, com os olhos a faiscar e saltarem-lhe das órbitas, de imediato disparou para o Sr. Lequerel!

- Sr. Lequerel trate de arranjar um notário que amanhã, ou no dia seguinte, faça a escritura de aquisição da posição do Sr. Culot, faça as contas dos lucros do ano, mais o dobro do valor da quota, preencha um cheque no valor dessas importâncias a favor do Sr. Culot.

 

E foi assim que, oito dias depois, de armas e bagagens, o nosso bom Constantino com os seus trinta empregados se instalou no n.º 37 da Rua de St. Agustin onde, como veremos, no número seguinte, novos êxitos alcançou.

Instalados no n.º 37 da Rua de St. Agustin a azáfama do trabalho não parava pois, pouco antes, ainda na anterior loja, Constantino havia decidido concorrer à Exposição de Paris que nesse ano se realizou nos Campos Elíseos.

Constantino, mais uma vez, surpreendeu tudo e todos, o seu stand foi dos mais visitados e as suas obras foram enaltecidas, com primeiras páginas de jornais, tal era a beleza, encanto e perfume que transmitiu aos seus arranjos florais.

A excepcional qualidade do seu trabalho foi reconhecida por todos e foi assim que, no último dia do certame, viu o seu nome ser pronunciado pelo Rei que o declarou vencedor do certame em arte floral.

Com este prémio os aplausos foram mais que muitos e até o Sr. Flamet, esquecendo a azedume da saída, veio cumprimentar Constantino prestando-lhe sentido elogio.

Com este prémio o reconhecimento de Constantino foi geral, ultrapassou fronteiras, fez crescer o seu negócio cujas encomendas eram agora satisfeitas por 40 empregados.

Constantino, porém, não se deslumbrou e, acicatado pelo desejo de inovar e conhecer novos perfumes, decide uma viagem a Inglaterra e aos Pirinéus para estudar a flora e botânica destas regiões, que era rica. Confiada a loja aos seus empregados, sempre dirigidos pelo seu amigo Lequerel, Constantino embarcou para Inglaterra e regressou pelos Pirinéus na descida dos quais, em Tercis-les-Bains, sofreu uma queda quando, sentindo-se ainda rapaz e a lembrar-se da sua terra, subiu a um penhasco para apanhar uma flor que tinha um azul que nunca antes vira.

Nesta vila, reteve-o a doença uns tempos, e, a conselho dos naturais, descobre as águas termais que o ajudaram a recuperar das mazelas nas pernas e costelas e que mais tarde tanto o haviam de ajudar no alívio do seu reumatismo.

 

Regressado a Paris, carregado de novos perfumes e flores que descobrira nos Pirinéus, Constantino lança-se de novo na profissão pois as encomendas das casas reais, nobres, e burgueses ricos e poderosos não paravam, todos disputavam as flores de Mestre Constantin.

Como o negócio não parasse sentiu necessidade de arranjar outras instalações pois as da Rua de St. Agustin já se mostravam reduzidas para albergar os 40 trabalhadores.

E é assim que por volta de 1846 se instala no 1º e 2º andares do n.º 7 da Rua D'Antin, nas proximidades da Ópera de Paris, por onde passava a melhor clientela da cidade.

Pela primeira vez sentiu Constantino o que era ter uma casa/habitação próprias pois, vivendo no amplo 2º andar, sentia o prazer de descer ao primeiro, de receber os prestigiados clientes no salão que a oficina dispunha e de ver todos os seus empregados a cumprir as ordens que lhes dava e sobretudo de ver o seu projecto empresarial e artístico realizado.

Este gozo, porém, havia de durar pouco pois, com a revolução de 1848, Paris tornou-se uma cidade de grandes dificuldades e miséria e durante dois anos foi esperar melhores dias sem que, contudo, tivesse de despedir os seus empregados que, por causa das barricadas e fome, na sua própria Casa e loja os alojou.

E só a abnegação de Constantino salvaram a sua empresa pois, não obstante Paris não lhe proporcionar negócios, a sua fama pelas casas reais da Bélgica, Alemanha e outras era grande e com elas conseguiu muitos negócios e recuperar o movimento comercial antigo.

Em 1850, serenada a Revolução e implantada a República, já o rei dos Floristas gozava de novo as delícias do negócio e é, então que, para calar a mágoa da saudade e aquela velha angustia que lhe rasgava o peito decide vir a Portugal.

Anunciadas e distribuídas as ordens sobre o giro da casa, Constantino dá ordens ao Sr. Lequerel para anunciar a viagem aos clientes e divulgar o facto nos jornais de Paris e Lisboa.

E é assim que Lisboa recebe o Rei dos Floristas.

 

 (*)Clique aqui para ler a 2ª parte deste artigo


     Clique aqui para ler a 1ª parte deste artigo


Posted at 14:49 by ntmad
Make a comment  

2007.06.13
AO RIO DOURO

por António Afonso 

 

 

Águas…

 

Águas sempre em fúria na avidez da chegada…

 

Murmúrio correndo distraído ao bater de asas

de um dilúvio azul

que morre na rebentação das margens.

 

Eis-te, ó rio Douro !

 

Eis-te, entrançando limos, beijos de bruma e terraços de néctar,

nos verdes altares de Baco e amêndoa doce

erguidos em encostas vivas de sol e fulgor.

 

Quisera eu, ébrio dos teus suspensos jardins

e indómita beleza,

beber também o eterno e cálido canto dos oásis

 

quando sobre ti se debruçam Outonos de oiro

e cascatas de miragem

 

que te vestem na longínqua distância da memória …

  

 


Posted at 23:27 by ntmad
Make a comment  

2007.06.12
A LUTA POR UM IDEAL NOBRE

 

Há semanas atrás, o meu querido amigo Dr. Artur Couto lançou-me o repto de escrever algo sobre uma grande professora que tive o privilégio de conhecer pessoalmente, a Drª Alice Maia Magalhães. E se vinco o privilégio de a ter conhecido pessoalmente é porque já a conhecia como autora dos «livros únicos» de Química adoptados no antigo Curso Complementar dos liceus no meu tempo de estudante. Este facto fez-me nutrir por ela muita admiração e a excelente qualidade dos mesmos muito contribuiu para que eu seguisse o curso de Ciências Físico-Químicas, afinal o mesmo que essa excelente autora tinha frequentado com enorme sucesso cerca de 30 anos antes.


A Drª Alice Magalhães nasceu na freguesia de Bonfim no Porto. Porém, era uma flaviense do coração, por ser descendente de flavienses por parte da mãe, ter vivido em Chaves e ter frequentado nesta linda cidade o curso Geral dos Liceus.


Era uma grande Senhora, foi uma professora de primeira grandeza e uma autora de grande sucesso. Os livros de Química que concebeu, em colaboração com o Dr. Túlio Lopes Tomás, um professor de uma grande cultura não só científica mas também humanística, podem considerar-se muito avançados no tempo em termos didácticos. Hoje defende-se muito o recurso à História da Ciência para que os alunos adquiram conhecimentos não só sobre a ciência, mas também sobre o que é a ciência e como se produz ciência. Pois, ao contrário de todos os outros livros de Ciências pelos quais eu estudei, os livros da Drª Alice Magalhães e do Dr. Túlio Tomás, particularmente o do 6º ano dos liceus, adoptavam uma abordagem construtivista baseada na história da Química, ficando os alunos que estudavam os livros a saber como nesta Ciência evoluiram os conceitos e surgiram as leis e, com isso, enriquecendo os seus próprios conceitos.


Quando conheci a Drª Alice, logo vi nela uma Professora de grande competência e honestidade, que tinha um ideal nobre. Na condição de Senhora quase sem família e portadora de uma alma grandiosa, esta «flaviense do coração» lutava nessa altura por uma Associação de Solidariedade Social dos membros da sua classe profissional que pudesse ser verdadeiramente útil àqueles que, como ela, viviam praticamente sós. Visitava Escolas, frequentava Encontros onde se reuniam professores, sempre na mira de arranjar mais sócios.


Um dia, ao sair do quarto de uma residencial modesta na Baixa coimbrã, a caminho da Universidade, no primeiro dia de uma Conferência Nacional de Química, encontrei no corredor a Drª Alice, com uma mochila às costas, pronta para ir também para o mesmo Encontro. Fiquei admirado que uma Senhora que tinha ganho muito dinheiro com os livros adoptados em todas as escolas do país, que possuía uma vivenda no Largo do Monte, um dos mais lindos miradouros de Lisboa, estivesse alojada naquela modesta (embora asseada) residencial e não num bom hotel. Prontifiquei-me a acompanhá-la e a contribuir para o pagamento de um táxi que nos transportasse até à universidade, pois pensei que, dado já não ser propriamente uma jovem, teria alguma dificuldade em me acompanhar pelo «Quebra-costas» acima, até ao nosso destino. Resposta pronta dela: eu prefiro ir a pé!


Na subida, logo a seguir ao Arco de Almedina, parou junto a uma montra e contemplou um lindíssimo «galo de Barcelos». Confidenciou-me que coleccionava «galos de Barcelos» e eu respondi-lhe que era coleccionador de mochos. A Drª Alice Magalhães contemplou o lindíssimo objecto, viu o preço e disse: é muito lindo, mas é muito caro; não o compro. E seguiu em frente, passo firme.


No pouco que conheci da Drª Alice, directamente e indirectamente através do meu primeiro co-autor de livros, que foi seu Colega próximo, constatei que era uma Senhora extremamente poupada. Ao contrário de tantas pessoas materialistas que nos rodeiam, esta Senhora era uma idealista: poupava para ser útil aos seus Colegas que mais careciam de uma Associação de Solidariedade Social dos Professores e, por isso, ela a fundou, foi a sua primeira Presidente e deixou-lhe quase toda a sua fortuna.


Posted at 21:01 by ntmad
Make a comment  

2007.06.11
SÍNTESE NOTICIOSA

 

HOSPITAL DE D.LUÍS I, NA RÉGUA, FEZ 50 ANOS

Foi no dia 05 de Maio. A Associação dos Amigos do Hospital D.Luiz I resolveu solenizar a efeméride com um programa recheado de eventos culturais e recreativos que preencheu todo o dia. Aproveitou a ocasião para, em parceria com o Município homenagear o Dr. Camilo de Araújo Correia, que durante largos anos desempenhou as funções de médico anestesista e foi um dos que mais contribuíram para o prestigio do hospital. Esta unidade de saúde foi inaugurada em 1957 e desde então tem prestado apoio às populações dos concelhos do Peso da Régua, Mesão Frio e Santa Marta de Penaguião.

 


BODAS DE PRATA DO MUSEU MUNICIPAL DE MIRANDA DO DOURO

No dia 18 de Maio, com uma homenagem ao seu fundador e primeiro director António Maria Mourinho, o Museu de Miranda festejou as Bodas de Prata.  Foi apresentada e exposta a capa de honras comemorativa dos 25 anos, obra do artesão Aureliano Ribeiro. José Preto, produtor de vinhos em Sendim, apresentou o primeiro vinho DOC do Planalto Mirandês, edição comemorativa dos 25 anos do Museu. O Museu é um espaço de relevo nas estruturas culturais da região mirandesa.

 

JOGOS TRADICIONAIS EM PARADA/BRAGANÇA

Para festejar o Dia do Trabalhador nada melhor que brincar. E em Parada, no concelho de Bragança, cerca de 150 pessoas, mais pessoa, menos pessoa, brincaram à maneira antiga jogando o fito, a raiola, o ferro, a corrida dos sacos, o jogo do galo e da relha. Os prémios eram tentadores. Se o 4º classificado de cada prova teve de contentar-se com uma garrafa de vinho fino, já o 3º recebeu um quilo de linguiças, o 2º  também um quilo, mas de salpicões e o vencedor ergueu, como prémio da vitória, um presunto. Ao último classificado para poder afogar a tristeza da derrota foi atribuído um garrafão de vinho. Câmara Municipal, Junta de Freguesia, Associação dos Jogos Populares, Turismo do Nordeste, Zamora e Léon patrocinaram a iniciativa.

 

VALPAÇOS. NOVO MERCADO MUNICIPAL

Com um custo de 500 mil €, totalmente suportado pela Câmara Municipal, abriu no dia 9 de Maio o novo Mercado Municipal. Situado no centro da cidade vem preencher uma lacuna que se fazia sentir e proporcionar a compradores e vendedores melhores condições higiénico-sanitárias ausentes do mercado provisório anteriormente ali existente.

 

VIMIOSO – A IGREJA MATRIZ EM OBRAS

A interessante igreja do século XVI dedicada a S. Vicente está a ser alvo de uma intervenção profunda sob a responsabilidade do IPPAR .  Eram obras há muito desejadas pela população e seus representantes, mas como se trata de um imóvel classificado de interesse público, só com autorização daquele Instituto elas podiam ser realizadas. É agora.

 

MIL JOVENS NA MATUTAD

Matutad é uma sigla de Matemática e Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Aqui se reuniram os alunos do 3º ciclo de 15 escolas que tiveram a oportunidade de revelar os seus conhecimentos de matemática. Os vencedores foram: 7º ano – João Pedro e André Ferreira, de Valpaços; 8º ano – Nuno Machado e Ana Queirós, de Vila Real; 9º ano – Sérgio Souteiro e Jorge Nogueira, de Bragança. As Escolas Vencedoras foram: 1º Colégio da Boavista, Via Real; 2º Escola de S. Pedro, Vila Real; 3º Escola Júlio Carvalhal – Valpaços.

Também na área da Física e da Química se realizou na Utad a III Edição das Portugal Olimpíadas da Química Júnior que reuniu 126 alunos, distribuídos por 42 equipas, tendo saído vencedoras as equipas representativas das escolas Miguel Torga, de Bragança, D. Sancho II, de Alijó e Escola Básica de Castro Daire.

 

O II CONGRESSO INTERNACIONAL DE MIGUEL TORGA

Promovido pela Câmara Municipal de Coimbra, de parceria com a Câmara Municipal de Sabrosa, realizou-se nesta vila um encontro internacional que juntou especialistas e estudiosos da obra literária de Miguel Torga vindos de Portugal, Brasil, Espanha, Holanda e Bélgica. Os congressistas tiveram reuniões de estudo e visitaram alguns dos muitos lugares descritos na obra do escritor transmontano admirando o retrato fiel que deles faz.

 

DOIS MUSEUS EM AGROCHÃO/VINHAIS

Benjamim Afonso, ex-Presidente  lançou a iniciativa e a actual Junta de Freguesia, com a colaboração da Câmara, deu-lhe continuidade. No Dia Mundial dos Museus, Agrochão inaugurou o Museu do Azeite que passa a testemunhar para as gerações futuras a forma tradicional de obter o azeite e o Museu Etnográfico e Rural que guarda centenas de peças da vida campestre.

É também de Agrochão este grupo de mulheres, todas na casa dos sessenta, que sob a orientação da professora aposentada Maria da Graça Afonso, através do canto, da dança e da representação renovam e perpetuam usos, costumes e tradições

Belos exemplos da preservação de memórias que, só por si, justificam e convidam a visitar esta aldeia bem transmontana.

 

UMA CASA MORTUÁRIA EM CARVAS

Carvas é um pequeno lugar da freguesia de Milhais, no concelho de Murça. Se calhar, envelhecida na sua gente, sentia mais a falta de uma casa mortuária do que de um infantário. Uma família do lugar ofereceu o terreno, a Junta colaborou, a Câmara avançou e os vivos têm agora um espaço digno para dignamente velar os seus mortos. Inaugurou-se no dia 13 de Maio.

 

TRÊS MINAS RECEBE ACAMPAMENTO DE BOMBEIROS

Três Minas é uma aldeia do concelho de Vila Pouca de Aguiar. Jovens bombeiros vindos dos vários pontos do distrito, resolveram reunir-se aqui em acampamento  para conviver e trocar experiências profissionais. Houve missa campal, uma vitela assada no espeto, visita ao novo Museu Municipal, desporto, música. Três dias, bem passados, em Três Minas.

 

FILIPINOS INVADEM A VILA DE SABROSA

Pois é verdade. Um grupo considerável de Filipinos, no dia 12 de Maio, sábado, disciplinados, sorridentes, afáveis percorreram e elogiaram as ruas de Sabrosa e tudo o mais que lhes era dado ver. Visitaram a Igreja Matriz, os Paços do Concelho, o Auditório, a Adega Cooperativa e, com muita curiosidade a Casa da Pereira, onde, se diz, ter nascido o grande navegador Fernão de Magalhães, afinal o descobridor das Filipinas e o causador inocente desta pacífica invasão.

 

TEMPORAIS DESTRUIDORES EM TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO

As antigas e temidas trovoadas de Maio, de vez em quando, cumprem o calendário. No dia 22 de Maio um forte temporal se abateu sobre a cidade de Valpaços afectando a segurança das pessoas e o funcionamento dos equipamentos urbanos. Dias antes uma trovoada de granizo, varreu como um ciclone a agricultura da freguesia de Jou, no concelho de Murça. 70 a 80% das culturas e caminhos tornaram-se incapazes. Cimo de Vila, Aboleira, Rio, Banho, Penabeice, Mascanho foram os locais mais afectados. O Governo prometeu atenuar com apoios a "desgraça" dos agricultores.

 

D.XIMENES BELO, PRÉMIO NOBEL DA PAZ, NO ALTO TÂMEGA

Entre os dias 25 e 27 de Maio, o ex-bispo de Dili/Timor, depois de uma recepção na sede da AMAT, em Chaves, onde recebeu um donativo para construir uma escola em Timor, visitou Montalegre, Valpaços, Vila Pouca e Ribeira de Pena. Em todas as localidades celebrou a Eucaristia descerrou lápides comemorativas ou inaugurou ruas com o seu nome. O Alto Tâmega soube, na sua melhor tradição, confirmar a hospitalidade transmontana.

 

AS COMEMORAÇÕES CENTENÁRIAS DO NASCIMENTO DE MIGUEL TORGA

Continuam com várias iniciativas. No passado dia 10 de Maio, 400 jovens estudantes das escolas de Vila Real e Bragança reuniram-se na Aula Magna da UTAD para participar numa acção cultural que envolveu diversos actos lúdicos e cénicos inspirados nas obras do grande escritor. Visitas à exposição bibliográfica, no Teatro Municipal e a S. Martinho d´Anta fizeram parte do programa.

Também na Quinta Nova, situada na margem direita do rio Douro, na freguesia de Covas do Douro desde 1758, e com a presidência do Governador Civil, se efectuou o II Encontro do Ciclo de Estudos sobre Miguel Torga.

 

UM LIVRO SOBRE ESPINHOSO, CONCELHO DE VINHAIS

Alexandre Perafita, sabrosense de nascimento e professor na UTAD, tem dedicado grande parte da sua vida na recolha e tratamento das tradições orais trnsmontanas. Agora, de pareceria com Isaura Fernandes lançou o livro Provérbios e Cultura Popular cujo conteúdo foi essencialmente recolhido em Espinhoso, uma aldeia que conserva hábitos, falares e memórias seculares. Um livro para ler, uma aldeia para visitar.

 

UMA HISTÓRIA DO OUTRO MUNDO

Aconteceu. Recentemente. Foi em Soutelinho do Monte, no concelho de Vila Pouca de Aguiar. Maria Machado tem 50 anos e, após uma discussão com o marido, desapareceu. Marido e vizinhos calcorrearam caminhos, bateram montes, inspeccionaram poços e lugares suspeitos e… nada. À noite, regressado a casa, o marido encontrou a mulher debaixo da cama inerte, gelada, sem vida. A notícia da morte espalhou-se pela aldeia. Alertadas as autoridades verificaram que de facto ela não respondia a qualquer estímulo. Enquanto era aguardado o Delegado de Saúde, um militar da G.N.R tocou em Maria Machado e ela reagiu com um leve movimento do rosto. O susto dos presentes foi grande. Afinal a morta, estava viva. Veio o INEM, foram prestados os primeiros socorros e levada para o Centro de Saúde onde ficou em recuperação. A explicação para este facto insólito, parece encontrar-se na tomada de dose excessiva de medicamentos. Enfim, uma vida inesperada para uma morte tentada.  

 
 

DESPORTO

 

Futebol. O desempenho desportivo das principais equipas  transmontanodurienses  deu, no final da época, os seguintes resultados:

- O Clube de Morais/Macedo de Cavaleiros, como já aqui informámos, ganhou Campeonato Distrital de Bragança e o Mirandês venceu a Taça da Associação Bragançana.

- Por sua vez, o Futebol Clube de Vidago venceu o Campeonato Distrital de Vila Real, subindo à III Divisão Nacional, enquanto a Taça da Associação foi conquistada pelo Boticas.

- O Grupo Desportivo de Chaves classificou-se em último lugar na Liga de Honra, foi despromovido e vai actuar na II Divisão B, na próxima época.

- O Grupo Desportivo de Bragança foi despromovido da II Divisão Nacional B e regressa à III Divisão.

- O Sport Clube de Vila Real e Alijoense, que disputaram a III Divisão, não conseguiram a permanência e baixaram aos distritais.

- Mirandela (4º), Mondinense (7º), Macedo de Cavaleiros (10º), na Série A, Torre de Moncorvo (3º), na série B, conseguiram prestações aceitáveis, mantendo-se na III Divisão.

Comentário: Como se constata, o futebol transmontano é mesmo um futebol de terceira.

 

PESSOAS

 

Durão Barroso
O actual Presidente da Comissão Europeia, português ligado por laços familiares e de vida a Trás-os-Montes e Alto Douro, foi agraciado pela Câmara Municipal de Lamego com a Medalha de Ouro da cidade. A cerimónia ocorreu no dia 21 de Abril nos Paços do Concelho e, nesse mesmo dia, em Tarouca, Durão Barroso foi entronizado oficialmente como membro da I Confraria do Espumante. Apetece-nos comentar,como é hábito dizer-se na Guiné: "manga de ronco".

 

Salomão Fernandes
É um jovem aluno do 9º ano de escolaridade, da Escola Paulo Quintela, de Bragança. Em Albufeira, Algarve, ganhou a final entre 30 finalistas no Concurso Nacional das Olimpíadas do Ambiente. Por tal motivo ganhou vários prémios entre os quais a entrada gratuita por um ano no Zoomarine, onde plantará uma árvore com o seu nome, uma estadia de oito dias para 4 pessoas, em Castelo Branco e integrará uma equipa que lançará no mar alto duas tartarugas gigantes. Ao concurso, concorreram 17 mil alunos de todo o País. Uma referência ao mérito.

 

Claudina Rosa
É de Codeçoso, freguesia de Meixedo, concelho de Montalegre, barrosã, portanto. Em casa, com ela eram 13 irmãos. Teve 6 filhos e já vai em 18 netos, 24 bisnetos e 1 (uma) trineta. No dia 14 de Maio houve festa em Codeçoso, com missa na capela de S. Nicolau e almoço em Montalegre para celebrar os 100 anos de vida e cantar os "Parabéns" à menina Claudina do Eirão, como é conhecida no local a veneranda anciã Claudina Rosa.

 

Lucrécia do Espírito Santo
São cada vez mais numerosas as pessoas, sobretudo mulheres que atingem os 100 anos de vida e os ultrapassam com razoáveis níveis de saúde. É o caso da tia Lucrécia, de Espinhoso, no concelho de Vinhais, que celebrou o seu 1º século de vida no dia 18 de Maio. Cuidou e ajudou a criar 10 irmãos, substituindo os pais que morreram cedo. Tinha quase 50 anos quando lhe nasceu o seu filho que, depois de andar emigrado na Alemanha, é hoje uma das pessoas mais afortunadas da terra. Parabéns, Tia Lucrécia e continue a "fazer meias" por muitos anos ainda.  

 

Teresa Luzio
Desde que fez, pelo menos 103 anos, temos acompanhado em NTMAD os vários aniversários da "ágil e lúcida" flaviense, internada há 18 anos na Santa Casa da Misericórdia de Chaves. Sempre bem disposta e ar sereno, tinha por hábito dizer, em jeito de queixume: "Deus nunca mais me leva". Deus, finalmente, fez-lhe a vontade aos 109 anos, no dia 20 de Maio. Depois das cerimónias fúnebres na igreja da Misericórdia, foi o seu corpo transladado para Castelões, terra natal. NTMAD, pela última vez, dá os Parabéns à cidadã Teresa Luzio pela longa e exemplar vida que viveu.


Posted at 22:44 by ntmad
Make a comment  

Next Page

© 2007 Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro (CTMAD). O material noticioso aqui apresentado apenas poderá ser utilizado mediante acordo prévio da CTMAD e dos seus autores. Para mais informações poderá contactar-nos. A edição online pode não conter a totalidade da edição em papel mas apenas alguns artigos.