Orgão da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa


NOVO !
Leia o nosso jornal (em pdf):



ARTIGOS MAIS LIDOS


Os Mais Insignes Judeus Transmontanos

Nordeste

Presentes de Natal Amargos

À Memória de Constantino, Trasmontano e Rei dos Floristas

A Emoção e a Razão


A CTMAD está na net

Acompanhe-nos no FACEBOOK


Compareça ! Participe !




Se ainda não é sócio
da nossa Casa

junte-se a nós!

Pela nossa região,
pela sua terra !


quota anual:
apenas 25 €






Peça a Revista
do Centenário


A história da nossa Casa,
pelo Dr. Armando Jorge.
Adquira já !
preço:10 €



Entrevista do Dr. Nuno Aires
ao Portugal no Coração



A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro e' a associação regionalista mais antiga de Lisboa. Foi fundada por alvara' régio de 1905.09.23. E' uma Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, sem fins lucrativos.
E' Membro Honorário da Ordem do Infante D. Henrique.

Sede:
Campo Pequeno, 50 - 3º Esq., 1000-081 Lisboa.
Tel. 217939311 Fax 217939198
e-mail: ctmad.lisboa@gmail.com
NPC 500788863
NIB 003500010001305153056

Seja sócio da CTMAD fazendo o download da ficha:
Em formato PDF
ou
Em formato Word
e enviando-a devidamente preenchida.
Para débito directo preencha esta ficha.



<< March 2007 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Edições anteriores

Marco 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho/Julho 2007
Setembro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007



SÍTIOS DA CASA

Casa de Tras-os-Montes e Alto Douro
CTMAD no FACEBOOK (novo !)
blog da CTMAD
CTMAD Cultura
Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro (wordpress)
Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro (blogspot)
Fotos CTMAD (Sapo)
Vídeos NTMAD (You Tube)
Trás-os-Montes e Alto Douro
Grupo Publico da CTMAD
Grupo dos socios da CTMAD



As nossas Festas


EVENTOS E ESTUDOS

III Congresso de TMAD
Nova Sede da CTMAD - a primeira pedra em Belém
Estudo Sobre o Crescimento e a Crise da Região
O associativismo regionalista transmontano

Festival de Gastronomia TMAD do Porto
Região Demarcada do Douro
Terra Olea (olivicultura)
Cão de Gado Transmontano
Gado Asinino
Viagem pelo Rio Sabor (I) - À procura da nascente
Viagem pelo Rio Sabor II - Da nascente à foz
Projecto Arqueológico da Região de Moncorvo
Centro de Estudos Antonio Maria Mourinho
Lhengua Mirandesa
Sítio de I Mirandés
DICIONARIO de Mirandês online
Mirandés Net
Froles Mirandesas
Al ciêntificu eilustradu
Al Balhe de la Baglina
VOCABULÁRIO Trasmontano
Retratos e Transfigurações
Genealogia (DGARQ)
Portuguese Genealogy (Candido)
Portuguese Genealogy (Holmes)
Cemiterio Judeu
Sephardim.com
Os Judeus em Trás-os-Montes
Arquivo Distrital de Bragança"
Arquivo Distrital de Vila Real
Arquivo Distrital da Guarda"
Arquivo Distrital de Viseu"
Catálogo geral de livros (UTAD)
Projecto Gutenberg
Domínio Público Brasileiro


MEDIA REGIONAIS

Região Transmontana TV online
TV de Barroso
Mirandela TV
Vila Real TV
Douro TV

Radios online

Radio Larouco

A Voz de Trás-os-Montes
A Voz do Nordeste
Diario de Tras-os-Montes
Douro Hoje
Folha D'Ouro
Jornal Nordeste
jornal o povo de barroso
Mensageiro Notícias
Notícias de Chaves
Noticias do Douro
Noticias do Nordeste
Noticias de Vila Real
O Cardo
Ribeira de Pena online
Semanário Transmontano
Terra Quente


PORTAIS TRASMONTANOS

BCD
Douronet
Espigueiro
Nordeste Digital
Trás-os-Montes
Zona Mais


Câmaras Municipais

Distrito de Bragança
Distrito de Vila Real
Distrito da Guarda
Distrito de Viseu


REGIÕES DE TURISMO

Alto Tâmega e Barroso
Douro Sul
Nordeste Transmontano
Serra do Marão


REINO MARAVILHOSO (I Parte)




ROTEIROS TURÍSTCOS

Rota da Castanha
Rota da Terra Fria
À Procura do Nordeste Transmontano
À Descoberta
Ansiães Aventura
Rio Tua
Ares da Minha Terra
Distrito de Bragança
Parque do Douro Internacional
Distrito de Vila Real
Boticas
Roteiros do Douro
Margem Esquerda do Douro
Margem Direita do Douro
Vista para o Douro
Douro Sul
Aldeias Vinhateiras (Douro)
As terras do Távora
Aldeias de Riba Côa
Gravuras de Foz Côa
Roteiro Vale do Côa e Além-Douro
Quinta da Erva Moira
Sabor a Douro
Rota dos Túneis
O Douro...nos caminhos da literatura
A boa vida de Marialva



REINO MARAVILHOSO (II Parte)




PAISAGEM E PATRIMÓNIO

Alto Douro Vinhateiro Património Mundial
Alto Douro Vinhateiro (fotos)
Arte Sacra na Diocese de Bragança
Barroso
Cerâmica Artesanal no distrito de Bragança
Vale do Côa e Alto Douro
Linha do Corgo
Linha do Douro
Linha do Sabor
Linha do Tua
Linha é Tua
Vale do Tua
Museu do Ferro
Património Arquitectónico Distrito de Bragança
Fotos do distrito de Bragança
Fotos do distrito de Vila Real
Fotos do distrito de Vila Real II
Fotos de Lamego
Fotos de S. João da Pesqueira


GRAVURAS DE FOZ CÔA




A NOSSA TERRA

Abrecovo
Adeganha
Aguas Frias
Aguas Vivas
Aguieiras
Alfandega da Fe
Algoso
Alijó
Arcas
Argemil da Raia
Argozelo
Argozelo II
Aveleda
Azibo
Barcos
Belver
Bemposta
Benlhevai
Bragado
Bruçô
Brunhoso
Cabril
Caçarelhos
Caçarelhos II
Cachão
Caldas de Aregos
Cambeses do Rio
Campeã
Campelos
Campo de Víboras
Cancelas
Candedo
Canedo
Carção
Carrazeda de Ansiães
Carviçais
Carviçais (forum)
Castedo (forum)
Castedo do Douro
Castelãos
Castelões
Castelo Branco
Celeirós do Douro
Chacim
Chaves
Chaves antiga
Coelhoso
Corujas
Dues Eigrejas
Eiras
Ervedosa
Especiosa
Fafião
Faiões
Favaios
Felgar
Felgueiras
Ferral
Fervidelas
Fiães do Rio
Fiolhoso
Fonte de Aldeia
Fontelonga
Frechas
Freixiel
Freixiel (freguesia)
Freixo de Espada-à-Cinta
Genísio
Gimonde
Gralhas
Grijó de Parada
Junqueira
Lagoaça
Lamalonga
Lamas de Podence
Lamego
Larinho
Larinho (blog)
Lavradas
Linharelhos
Loivos (Chaves)
Longroiva
Maçores
Marialva
Mazouco
Mesão Frio
Meixedo
Miranda do Douro
Miranda do Douro (Voilà)
Mirandela
Mogadouro
Mogos
Moimenta
Moncorvo
Montalegre
Montalegre (blog)
Morais
Mós (Foz Côa)
Mós-Douro.com
Mós do Douro
Mós (Moncorvo)
Mós (freguesia)
Murça
Ormeche
Ousilhão
Outeiro
Outeiro Seco
Padroso
Palaçoulo
Parada de Monteiros
Paradela
Paradela de Ansiães
Paradela de Monforte
Parambos
Parâmio
Paus
Peirezes
Pensalvos
Peredo dos Castelhanos
Picote
Pinhão
Pitões das Júnias
Pitões das Júnias (freguesia)
Pombal de Ansiães
Porrais
Prado Gatão
Provesende
Queimada
Rebordaínhos
Rebordaínhos (ASCRR)
Rebordelo
Ribeira de Pena
Ribeira de Pena (Terras de Pena)
Rio de Onor
Salselas
Salzedas
Sanfins do Douro
Santa Valha
Santalha
Santo Aleixo de Além-Tâmega
Santulhão
S. Joanico
S. João da Pesqueira
S. Mamede de Ribatua
S. Martinho de Angueira
S. Pedro dos Serracenos
S. Vicente da Raia
Segirei
Sendim
Serapicos (Vimioso)
Sernancelhe
Tabuaço
Tabuadelo
Tarouca
Torgueda
Torre de D. Chama
Tourencinho
Travancas
Trevões
Tua
Ucanha
Urrós (Mogadouro)
Uva
Valdigem
Vale de Anta
Vale de Figueira
Vale de Frades
Vale da Porca
Valença do Douro
Valpaços
Valpaços (Notícias)
Vidago
Vieiro
Vila Flor
Vila Real
Vila Verde da Raia
Vilar de Izeu
Vilar de Perdizes
Vilarinho de Agrochão
Vimioso
Vinhais
Vinhós
Zêdes
Zenízio


NORDESTE TRANSMONTANO



ARTE TRASMONTANA

Associação Amigos das Artes de TMAD
Antonio Afonso (Toninho)
Carlos Botelho
Balbina Mendes
António Pizarro
Eurico Borges
Graça Morais
José Augusto
Nadir Afonso
Rui Rodrigues
Peripécia Teatro
TEB
Teatro de Vila Real
Urze Teatro


MÚSICA TRASMONTANA

Banda de Música de Mogadouro
Banda de Música de Sanguinhedo
Banda de Música de Vilarandelo
Caramonico
Caretos de Podence
Caretos de Salsas
Concertinas de Lamego
Federação Transmontano Duriense de Bandas Filarmónicas
Galandum Galundaina
Guitarras de Portugal
La Çaramontaina
Lenga Lenga
Mar de Pedra
Pica Tumilho
Grupos de Pauliteiros de Miranda
Pauliteiras de Valcerto
Pauliteiros de Miranda do Douro
Pauliteiros de Miranda (Lisboa)
Rancho Folclórico Flor d!Aurora
Rancho Folclórico da Casa do Povo de Godim
Rancho Folclórico de Guiães
Rancho Folclórico de S. Tiago (Mirandela)
Rancho Folclórico de Vila Real
Rancho Folclórico de Vimioso
Zés Pereiras de Castedo do Douro


CANTORES TRASMONTANOS

Adelia
Emanuel
Roberto Leal

referências

OUTROS LINKS

If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



2007.03.27
PROXIMAS ACTIVIDADES DA CTMAD

  • 12 de Abril (quinta, 18 h 30 m) - Lançamento do livro "Um Tiro Na Bruma", de Manuel Cardoso, em Lisboa;
  • 14 de Abril (sábado, 13 h) - Almoço dos naturais de Chaves (marcação pelo telefone 217939311 ou telemóvel 938487755);
  • 17 de Abril (terça, 18 h 30 m) - Reunião do Conselho Regional;
  • 19 de Abril (quinta, 18 h 30 m) - Lançamento e apresentação, pelo Prof. Dr. Rosado Fernandes, do livro "A Bem Soada Gente", de Flávio Vara, na sede da CTMAD;
  • 23 de Abril (segunda, 20 h) - Jantar comemorativo do 25 de Abril (marcação pelo telefone 217939311).

Posted at 03:48 by ntmad
Make a comment  

2007.03.26
Perante centenas de pessoas, decorreu a Festa do Folar

 

Realizou-se no domingo passado, em Benfica, no Externato Marista de Lisboa, junto ao Alto dos Moinhos, a tradicional FESTA DO FOLAR, com exposição e venda de produtos regionais trasmontanos e realização de jogos tradicionais.

Houve merenda, com folar trasmontano, febras de porco, vinho e pão.

Para além do stand "Terraolea" da Câmara Municipal de Mirandela com produtos da terra, houve uma exposição sobre a Linha do Tua.

Actuaram o Grupo de Cavaquinhos de Mirandela, o Rancho Folclórico de Carrazedo de Montenegro e o Grupo Maranus, que animou a festa para um pézinho de Dança.


Posted at 07:42 by ntmad
Make a comment  

2007.03.24
IN MEMORIAM

por Amílcar M. Morais*

 

Ainda, há bem pouco tempo, fazia parte do grupo de trabalho que elaborou o programa preliminar do projecto da nova sede da CTMAD. Aceitara com entusiasmo integrar o grupo nomeado pela Direcção para o acompanhamento da construção da nova sede.

Nascido em Lisboa, há 64 anos, corria-lhe nas veias sangue trasmontano, de Vilas Boas, Vila Flor. Era arquitecto de reconhecida competência, bem patente nos projectos que elaborou do Centro de Estágios do Sporting Clube de Portugal, do Tribunal da Relação de Lisboa, da Pousada de Juventude de Beja e Delegação do Instituto Português da Juventude em Beja.

 

Foi na ceia de Natal que a notícia do seu desaparecimento chegou súbita e me cortou o pensamento com a conhecida poesia da morte de José Gomes Ferreira.

 

É com mágoa que a Direcção da CTMAD comunica o falecimento do Senhor Arquitecto Nuno Manuel Blanco Bártolo. Era o sócio nº3098.   

 

À família enlutada, a Direcção da CTMAD apresenta sentidas condolências.

________________________

* amilcar.morais@yahoo.com

 


Posted at 10:51 by ntmad
Make a comment  

REUNIAO DO CONSELHO REGIONAL

Reuniu o Conselho Regional no passado dia 6 de Fevereiro de 2007. A reunião foi convocada com a seguinte Ordem de Trabalhos:

1.    Informações

2.    Conclusões da Assembleia-Geral de 26 de Janeiro e actividades a desenvolver pelo Conselho Regional.

3.    Outros assuntos de interesse geral

A reunião teve a presença de 19 conselheiros. Três conselheiros apresentaram justificação para não estarem presentes. O Presidente da Mesa, Dr. Duarte Guedes Vaz, deu início à reunião, e iniciando a ordem de trabalhos no ponto 1 deu a palavra ao Presidente da Direcção, Dr. Nuno Aires, que deu detalhadas informações ao Conselho sobre as contas relativas à subscrição para a nova Sede. Em seguida e após as boas vindas dadas o presidente da Mesa, deu as boas vindas à nova Conselheira por Vinhais, Ana Maria Mendes, passando o numero de conselheiros a ser de 38, sendo o Conselho de Vinhais o que tem o numero máximo permitido de 3. Em seguida e após a aprovação da Acta da reunião anterior, foram dadas várias informações, a saber: a necessidade dos Conselheiros ajudarem a promover a estreia do Grupo de Teatro da Casa nos próximos dias 2, 3 e 4 de Março; a realização no próximo dia 12 de Abril da apresentação de um livro promovido por este Conselho; a realização em Bragança da apresentação de um estudo sobre o Douro os Parques naturais de Montesinho e do Douro Internacional e das diligências feitas e a efectuar para que a mesma exposição se faça em Lisboa promovida pela Casa; do esforço para que o Jornal da Casa passe a dar noticia de realizações dos concelhos de Trás-os-Montes e Alto Douro, de que é exemplo as notícias sobre o apadrinhamento de oliveiras em Mirandela.

No Ponto 2, a mesa deu informações sobre os assuntos da Assembleia-Geral de relevância para este Conselho, nomeadamente o que dizia respeito ao aprovado em Assembleia-Geral relativo ao Relatório e Contas de 2006 e ao Programa de actividades para 2007. Foi referido que no Relatório e Contas a Direcção cometia a este Conselho a responsabilidade de organizar os núcleos concelhios locais através dos respectivos conselheiros, ideia muito bem recebida. Foi ainda referida a necessidade de as Câmaras municipais se tornarem sócias colectivas da Casa, para ficarem mais sensíveis aos seus problemas, e facilitando a difusão de informação dos respectivos concelhos. Dada a palavra aos Conselheiros, e no aprofundamento do plano de actividades para 2007 aprovado em Assembleia-Geral, foi sugerida entre outros eventos, a realização de: uma exposição sobre o termalismo na região de Chaves com o apoio da Câmara Municipal; de um colóquio sobre a língua Mirandesa; da realização de festas de cada concelho, procurando interessar as respectivas câmaras nelas, e noticiando nomeadamente as realizadas pela casa de Vinhais; e da promoção dos jogos tradicionais de TMAD, e das actividades da Associação ADIMAQ. Os conselheiros ficaram de apresentar à Mesa mais propostas por escrito.

Após a intensa discussão muito participada que todos estes temas propiciaram, e antes de encerrar a sessão, foi marcada nova reunião para dia 16 de Abril, Terça-feira, pelas 18.00 horas. O Presidente da Mesa deu então por encerrada a sessão, seguindo-se um jantar de confraternização entre os conselheiros e os membros da Direcção.

CTMAD, 18 de Dezembro de 2006

A MESA DO CONSELHO REGIONAL DA CTMAD

 


Posted at 09:56 by ntmad
Make a comment  

OS SABORES DA NOSSA TERRA

©

 

Ainda à Transmontana

 

O Inverno tem o encantamento de mostrar as glórias das artes culinárias, e alimentares, de Trás-os-Montes. Apesar do frio, ou melhor dizendo, por ele mesmo. Graças ao frio desenvolveram-se engenhos para dele tirar proveito e em simultâneo para dele se defenderem.

É curioso ver as mostras de produtos e seus derivados, apresentados em feiras e acompanhados de festivais gastronómicos em toda a região. De Miranda do Douro a Montalegre, passando por Vinhais. Esta fórmula de divulgação está conseguindo os seus objectivos, defendendo o nosso património gastronómico, elemento diferenciador neste mundo de acelerada globalização. Estas manifestações têm ajudado ao registo do património culinário local e, em simultâneo, provocado o aparecimento de novo receituário, fruto da evolução permanente do acto de comer.

E foi exactamente Vinhais que provocou esta minha crónica. Pelo crescimento da Feira, e especialmente pela busca de mais atractivos para a divulgação dos produtos locais. Não vou tecer comentários ao modelo da feira, até porque tenho falhado muito com a minha presença. O frio é importante para estes acontecimentos, eu é que gosto cada vez menos do frio.

Quando dos anúncios recentes da Feira de Vinhais, foi anunciado com grande destaque, e incluído no programa oficial do certame, o lançamento de um livro de receitas. Não me deslocando a Vinhais garanti, no entanto, que o livro me chegasse dois dias depois do lançamento. Fiquei surpreendido. Quando mo entregaram pensei que se tratava de um folheto alusivo à Feira. Não, era o próprio livro. Quem o imaginou decerto que tinha objectivos específicos do seu conteúdo e, especialmente, do seu aspecto e dimensão gráfica. Trata-se de um "livrinho", aliás expressão utilizada nas linhas de apresentação intituladas "Fumeiro de Vinhais", contendo 11 receitas do fumeiro local com novas ou lembretes da forma de o servir depois de uma passagem culinária. O livrinho cabe na palma de uma mão, que não precisa de ser grande, graficamente bonito, solução para aplicar no frigorífico com íman e fecho moderno esteticamente elaborado. Digamos que é um objecto engraçado e de fácil transporte.

Se calhar eu é que tive imaginação ambiciosa quando esperava um livro de forma tradicional. É que já não me interessa um livro só pelas receitas. Se calhar estava à espera que fosse um instrumento de informação ilustrado, naturalmente, com as receitas. Mas mais importante seria estudar as tradições e a evolução do receituário do próprio fumeiro.

Ainda sobre Vinhais apraz-me saber do sucesso que teve a apresentação de pratos com uma versão de cozinha evolutiva ou revisitada que o Restaurante Flor de Sal fez em Vinhais, baseado em produtos de porco bísaro: Açorda de Alheira, Cogumelos recheados com massa de alheira, Crocante de alheira, Chouriça laminada com ramos de grelos, Trio de porco bísaro com cascas trufadas… imagine o apetite que isto nos desenvolve aqui em Lisboa! E não me alongo em mais comentário, recomendando a leitura da crónica meu amigo, e nosso conterrâneo, Armando Fernandes no jornal Nordeste.

Já quase não me sobra espaço para voltar à questão das designações à Transmontana. Agora que as autoridades do Turismo português assumira um plano estratégico para o Turismo, a Gastronomia tem uma função importante enquanto elemento diferenciador com outros países. Como objectivos terão que seleccionar 4 a 6 pratos de cariz nacional e de execução corrente em todo o território. Também cada região deverá ter identificar 4-5 pratos para a sua promoção. Que irá acontecer em Trás-os-Montes? Que será das designações à Transmontana? Quantas existem? E Trás-os-Montes fundido no Norte de Portugal qual será o seu peso? Confesso que entendo a preocupação selectiva com objectivos promocionais. Não podemos fazer a birra do bairrismo provinciano. As Casas de Trás-os-Montes, as Confrarias, os Sábios locais saberão com certeza dar as suas contribuições.

Quanto a nós, continuemos a comer bem. Boa comida!

 

BOM APETITE!

 


Posted at 09:39 by ntmad
Make a comment  

SINTESE NOTICIOSA

 

CENTENÁRIO DE MIGUEL TORGA

Acontece este ano o 1º Centenário do nascimento de Miguel Torga. Nasceu a 12 de Agosto de 1907. Morreu, há 12 anos, no dia 17 de Janeiro. Nasceu e está sepultado em S. Martinho de Anta, no concelho de Sabrosa. É uma das nossas glórias.

Por iniciativa do Círculo Cultural Miguel Torga com a colaboração de várias entidades e instituições, o Centenário começou a ser comemorado em Vila Real e Bragança e vai prolongar-se por todo o ano. O objectivo é, naturalmente, recordar e perpetuar esta grande, enorme figura da Literatura Portuguesa e sua obra.

Ao amigo e vizinho, P. Avelino, Pároco de S. Martinho d'Anta, que um dia lhe perguntou porque era tão avesso a dar entrevistas, Miguel Torga respondeu: - Se me querem conhecer que me leiam. Aqui está uma bela sugestão para participarmos honradamente nas comemorações – ler ou reler a sua obra. Comece já.

 

VILA REAL EM 7º LUGAR ENTRE AS MELHORES CIDADES PARA VIVER

O jornal Expresso decidiu fazer uma avaliação de 50 cidades portuguesas. Para tanto adoptou 20 critérios, pontuou de 0 a 20 cada critério, enviou 5 jornalistas, durante alguns meses, a visitar e estudar as cidades e, no final, estabeleceu uma classificação. No pódio dos vencedores ficou Lisboa, com 1305 pontos, Guimarães, com 1275 e Évora e Porto, empatadas com 1230 pontos. Vila Real, abaixo de Ponta Delgada (6ª) e acima de Braga (8ª) ficou num honroso 7º lugar, com 1170 pontos. Bragança e Mirandela empataram no 28º lugar, com 995 pontos, seguindo-se Chaves, em 29º, com 990. Lamego quedou-se pelo 33º lugar. A nossa vizinha Amarante, nas faldas do Marão, situada em 23º lugar, recebeu a maior classificação nacional no critério dos espaços verdes com 70 pontos. Régua, Valpaços, Macedo e Miranda do Douro não foram analisadas.

 

VILA REAL SUJEITA ÀS RADIAÇÕES DO RADÃO

Algumas casas do centro histórico de Vila Real apresentam valores significativos de radão. O radão é um gás natural, inodoro, incolor, insípido,  radioactivo, proveniente de pequenas quantidades de urânio e rádio existentes nas rochas graníticas. É  perigoso para a saúde, pois provoca cancro pulmonar. Esta constatação resulta da tese de mestrado do professor Fernando Nunes Coelho que procedeu no local a um exame radiométrico   concluindo que o grau de radiações encontrado excede os valores  recomendados pela legislação em vigor.

 

HISTÓRIAS DE LOBOS EM TERRAS TRANSMONTANAS

Em Covas de Barroso, no concelho de Boticas,  os lobos mataram um vitelo e um cavalo. Os lobos têm sido vistos, com regularidade, no termo. Desta vez, a alcateia teria atacado o vitelo quando pastava pacatamente no lameiro. Caso se confirme  a responsabilidade dos lobos diz o Director do parque que os donos serão pagos pelo prejuizo, como está previsto na lei,.

Entretanto, na área da Samardã/Vila Real foi lançada, na extensão de seis quilómetros, a Rota dos Lobos, circuito pedonal, que terá como principal atracção o Fojo do Lobo, uma cerca centenária feita em pedra, com armadilha para apanhar os "lobos maus", dizimadores dos "rebanhos bonzinhos".

 

SALTO ( Montalegre ) – QUARTEL DE BOMBEIROS

O mau olhado que, segundo dizem, deitaram  sobre esta obra tão necessária aos soldados da paz local, voltou a fazer das suas. Orçamentado em 750 mil euros, depois de vários engulhos, o Quartel estava, finalmente, a ser construído. Apesar dos  pagamentos em dia por parte da Câmara, estarem em dia, o empreiteiro, com sede em V.N.de Gaia, alegando dificudades financeiras abandonou a obra e "pirou- se". E agora? Nova carga de incertezas e trabalhos. A população da vila desespera.

 

CUIDADO COM AS CRIANÇAS

Um menino de 7 anos, Luís de seu nome, vivendo em Carviçais, no concelho de Torre de Moncorvo, por causa do frio, tentou acender uma salamandra. Com a lenha  molhada, o lume não pegava. Resolveu, então, regá-la com gasolina. A explosão foi inevitável e o miúdo ficou envolvido em chamas ardendo como uma tocha. Um vizinho, Fernando Menino, que ia a passar, apercebeu-se da situação e, ajudado pelo adolescente David arrastaram Luís até um tanque e atiraram-no à água. Transportado para o Porto com queimaduras em 90%  do corpo, a criança veio, posteriormente, transferida para o Hospital da Estefânia. O caso sensibilizou a população local

 

BRAGANÇA HOMENAGEIA EURICO PIRES

Eurico Pires nasceu em Angola, em 1964. Os seu pais eram naturais de Formil, freguesia de Gostei, concelho de Bragança. Nascido com vocação para a arte, fez-se artista de renome em Paris, onde morreu, em 2003. Ligado à terra transmontana pelo sangue e pelos afectos, expôs a sua obra no Museu Abade de Baçal, no Auditório Paulo Quintela, em Miranda do Douro e Mogadouro. Quis deixar à cidade de Bragança uma grande escultura sua. Começou a esculpi-la na casa dos pais. Aos 39 anos de idade a morte arrebatou-o inesperadamente. Os amigos completaram-lhe a obra e a Câmara Municipal ergueu-lha, em homenagem, no Parque Eixo do Atlântico, onde ficará a perpetuar a memória da sua generosidade e arte.

 

SERÁ QUE O MUSEU DO CÔA ARRANCOU MESMO ?

Não vão longe os anos em que "lançar a primeira pedra" significava mesmo dar início a uma obra. Hoje, fruto de uma sociedade que se tornou mentirosa e ludibriadora, a cerimónia do lançamento da primeira pedra pode significar tudo, até o começo efectivo da obra. Esperamos, sinceramente, que seja este o caso ocorrente. No dia 26 de Janeiro, com a presença da Ministra da Cultura e Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, em Vila Nova de Foz Côa, foi lançada a primeira pedra do Museu do Côa, obra orçada em 17,5 milhões de euros, comparticipada em 60% por fundos comunitários. A sua construção foi prometida, em 1998, quando as pinturas rupestres receberam a classificação de património mundial. A nova promessa diz que abrirá ao público, em 2008. Aguardemos, para ver.

 

CURIOSIDADE TRANSMONTANA

Um geólogo da Universidade do Minho, de seu nome, José Brilha, disse em Bragança que a pedra mais antiga datada em Portugal, se encontra no Tojal dos Pereiros, zona industrial de Bragança. Não tendo grande valor estético, nem turístico, possui, por agora, a primazia da antiguidade.  Por isso, a Câmara assisadamente a salvaguardou.

Já que falamos em pedras, nesse campo a nossa terra é rainha soberana, informa-se que a Câmara Municipal de Alijó solicitou ao IPPAR a classificação do Património Arqueológico do Concelho. Entre os vários monumentos candidatos figuram a Necrópole Megalítica do Alto das Madorras, freguesia de Vila Verde, o Santuário Rupestre da Botelhinha, freguesia de Pegarinhos, o Aro Arqueológico de Carlão e o Castro de Vilarelho/Favaios. Espera-se uma resposta positiva do IPPAR, pois, além da preservação do património arqueológico local, representarão uma curiosidade nova para mostrar aos turistas.

 

CASTRO AVELÃS – BRAGANÇA

É sobejamente conhecida a igreja beneditina de Castro Avelãs, de estilo românico-árabe, datada do séc.X e classificada de monumento nacional. Por documentos escritos, sabia-se da existência de um mosteiro anexo, onde esteve hospedado o Duque de Lencastre aquando da sua vinda a Portugal  para "negociar" o casamento da sua filha Filipa com D. João I, rei de Portugal. Extinto em 1546, o mosteiro desapareceu em ruínas. Escavações recentes, efectuadas em terrenos agrícolas contíguos à igreja, puseram a descoberto partes importantes desse mosteiro que permitem já delinear a respectiva planta de construção. Uma descoberta arqueológica que vem enriquecer a vertente cultural do turismo bragançano.

 

A FLORESTA EM TRÁS-OS-MONTES TEM NOVO ORDENAMENTO

Para preservar, limpar e ordenar a floresta, o Governo disponibilizou verbas para a criação de novas zonas de intervenção florestal no Nordeste Transmontano. Estas ficarão localizadas nos concelhos de Bragança, Macedo, Mogadouro e Moncorvo.

Também o concelho de Vila Pouca de Aguiar, que é "o maior detentor de biomassa florestal do país" ( José M.Cardoso in A Voz de Trás-os-Montes ), ficou dividida em três zonas de intervenção florestal: a) Valoura/Vreia de Jales; b)Planalto de Jales; c) Vale do Tâmega. Espera-se que esta reorganização acompanhada de outras medidas já a serem implementadas, evitem ou reduzam substancialmente o "inferno dos incêndios estivais".

 

AS FEIRAS DO PORCO E DO FUMEIRO EM TRÁS-OS-MONTES E

ALTO DOURO

O porco e seus derivados constituíram desde sempre uma ampla base na alimentação e gastronomia transmontana. Não admira, pois, que os saberes e os sabores de tantos séculos ganhem, nos dias de hoje e nesta época do ano, um estatuto especial nas iniciativas de carácter económico e relações de convivência entre as gentes da nossa Região. Depois da Feira do Fumeiro em Montalegre, da Feira do Porco, em Boticas, em S. João da Corveira/Valpaços, a 27ª edição da Feira do Fumeiro de Vinhais, a mais antiga e, porventura, a mais celebrada, saldou-se por um enorme êxito que ultrapassa os limites regionais e se projecta cada vez mais longe. O 1º Prémio do Concurso "0 Melhor Fumeiro" foi este ano para Piedade dos Anjos, de 77 anos, natural e residente na aldeia de Casares, que "continua a temperar o fumeiro como aprendeu com sua mãe".

 

REGIÃO DE TURISMO DO ALTO TÂMEGA E BARROSO LANÇA

LIVRO DE GASTRONOMIA.

        São 180 receitas tradicionais da cozinha da sub-região do Alto Tâmega. Algumas remontam ao século XVIII. A autora do livro é Maria João Lino, diplomada em Lazer e Turismo, que para o efeito percorreu toda a região recolhendo elementos. O seu irmão, o pintor Mário Lino, também ele flaviense, ilustrou o livro com aguarelas. O livro foi lançado no dia 27 de Janeiro para comemorar os 45 anos da Região de Turismo.

 

O MENINO JESUS DA CARTOLINHA SAÍU EM PROCISSÃO

O Menino Jesus da Cartolinham é uma figura enternecedora e muito venerada nas terras nordestinas. Por essa razão, as gentes de Miranda do Douro, gerações após gerações, continuam a prestar-lhe homenagens públicas. No princípio de Janeiro, uma vez mais, em trajes típicos, o passearam processionalmente pelas vetustas ruas da cidade.

 

A FESTA DO CHAROLO EM OUTEIRO ( Bragança )

O charolo é um grande andor ornamentado com dezenas, talvez centenas, de pães doces, em forma de rosca, sendo rematado nos quatro cantos superiores com ramos feitos de flores, bolos, laranjas, chouriças, figos etc. Depois da missa, os charolos são abençoados e percorrem, em procissão, pelas ruas da aldeia, como de andores de santos se tratasse. Após o almoço, a população reune-se no Largo Principal da Terra  para assistir e participar na "dança das roscas". Os mordomos da festa, ao som das gaitas- de- fole, iniciam a dança que é feita com as roscas na mão e que depois arrematam. O valor de cada rosca varia. A receita final reverte para o patrono da festa, S. Gonçalo.

Durante a noite, a festa com o designativo de pandorcada continua. Ao som das gaitas- de-fole as pessoas visitam-se mutuamente em suas casas e convivem comendo e bebendo. Na linha mantida de tradições remotas, esta é chamada a Festa da Abundância. Aconteceu, uma vez mais, no dia 13 de Janeiro, na povoação do Outeiro.

 

ENCONTRO DE ESCRITORES TRANSMONTANODURIENSES

Vai efectuar-se no dia 21 de Março, em Vila Real, com a finalidade de debater em conjunto assuntos que dizem respeito ao ofício da escrita literária. Nesse dia, Dia Mundial da Poesia, os poetas serão distinguidos. A iniciativa é da responsabilidade do Grémio Literário Vilarrealense. As inscrições para o encontro terminam a 10 de Março.

 

REFERENDO SOBRE O ABORTO. OS NÚMEROS TRANS-MONTANOS

No Distrito de Bragança: Eleitores Inscritos: 148.904; Votantes 51.163; Votaram NÃO: 29.590; Votaram SIM : 20.562; Abstenção : 65,6%

No Distrito de Vila Real : Eleitores Inscritos : ( ? ) ; Votantes :77.555; Votaram NÃO : 47.048; Votaram SIM : 28.972; Abstenção: 64,8%

 

AUTOMOTORA DO TUA CAI AO RIO TUA

No lugar conhecido por Fragas Más ( e muito más se revelaram neste acidente ) , Santa Luzia/Carrazeda de Ansiães, uma enorme pedra se terá desprendido da montanha, embatendo violentamente contra a automotora que descarrilou e, caiu no rio, depois de se arrastar por uma ribanceira. Dois jovens, passageiros, na queda foram cuspidos e, posteriormente, resgatados com vida. O revisor, 35 anos, natural de Cambres, já no dia seguinte, foi retirado morto. O cadáver de um funcionário da Refer, natural de Vieiro, Vila Flor, apareceu dias depois. O corpo do jovem Ricardo José, maquinista,  de 25 anos, a viver com a mãe, no Bairro do Sardão, em Mirandela, foi recuperado oito dias depois no leito do rio Tua. O acidente levanta de novo o problema do encerramento ou não da linha do Tua, sendo as populações e autarquias contra tal hipótese.

 

O ALTO TÂMEGA UNIDO EM PROTESTO

Populações e autarcas dos concelhos de Boticas, Chaves, Montalegre, Valpaços, Ribeira de Pena e Vila Pouca de Aguiar uniram-se, em Chaves, no dia 21 de Fevereiro, numa grande manifestação, "a maior de sempre", para condenar a política de saúde do Governo que, segundo dizem, pretende encerrar o Serviço de Urgências do Centro de Saúde de Vila Pouca de Aguiar e desclassificar o Serviço de Urgências do Hospital Regional de Chaves. Manifestações com idêntico objectivo têm sido promovidas em diversas vilas e cidades do País.

 

FUTEBOL -  BRAGANÇA FAZ HISTÓRIA

O Grupo Desportivo de Bragança, a jogar na 2ª Divisão B  e com má prestação ( vai colocado em último lugar ), surpreendeu e fez história ao classificar-se para os quartos-de-final da Taça de Portugal, eliminando o Clube Naval 1º de Maio, da Superliga, na Figueira da Foz, com o resultado de 1-0. Pelo feito, e porque isso obrigou o  país a falar de Bragança, o Desportivo está de Parabéns.  

 

DUAS HISTÓRIAS

 

1 - A HISTÓRIA DO SINO DE S. MARTINHO

É uma história curiosa, esta do sino da matriz de S. Martinho de Bornes, no concelho de Vila Pouca de Aguiar. Conta-se em poucas palavras. Aguentando garbosamente os seus 200 quilos de peso, o sino contemplava do alto da torre o povoado aconchegado a seus pés.  Na pacatez da idade centenária convivia com as gentes da terra que nele se reviam. Dava-lhes as horas, alegrava-as nas festas, casamentos e baptizados com sons alegres e cantantes, comungava com elas, em sons dolentes, os  momentos entristecidos de morte e agonia. Tudo corria normal até que, recentemente, numa 5ª feira negra, o sino desapareceu. Roubado.Violentamente deposto do seu trono como provam as feridas deixadas nas pedras doridas do adro. À surpresa inicial, sucedeu a amargura das gentes. Os "detectives" da PSP saíram a terreno e, após buscas profícuas, o sino apareceu em Mateus/Vila Real, já enterrado em terras de sucateiro. Soube-se que dois jovens, com menos de 20 anos, foram os "ladrões". Após trabalhos ciclópicos para o transporte, venderam o sino, como coisa desprezível, ao sucateiro por apenas "alguns euros". Achado. Recuperado da indignidade sucateira, graças ao esforço do Presidente da Junta, Rui Sousa, o sino voltou à torre altaneira, donde nunca deveria ter saído, para gáudio das gentes de S. Martinho de Bornes. Como nos filmes, a happy end.

 

2 - AS PEDRAS DA CAPELA ABANDONADA

Numa quinta, situada no lugar de Picões, hoje nos limites municipais de Valpaços, que fora pertença do Morgado de Vilartão, existe uma capela barroca, com data de construção do século XVIII. Há cerca de dois anos, este templo, por certo desactivado, foi alvo de uma veneração especial. Piedosos crentes levaram consigo, como preciosas relíquias, pedras e madeiras bastantes que motivaram uma queixa do proprietário às autoridades policiais. As investigações prosseguiram todo este tempo e, quando menos se esperava, os deuses conduziram os detectives a Lebução.  Nesta vila, encrustadas numa vivenda em construção, encontraram as sagradas relíquias. Como um azar nunca vem só e há mesmo coisas do diabo, o dono da moradia em construção foi encontrado hospitalizado, em Espanha, em estado de coma, na sequência de uma briga. Se sobreviver, tal como outros devotos que o acompanharam em tão generosa devoção, serão constituídos arguidos de processo-crime.

 

CITAÇÕES

Com o devido respeito, transcrevemos do Jornal Expresso as seguintes afirmações:

1 – Da autoria de Miguel Cadilhe : " Sempre na linha d'água, fantástico, o comboio rasgava margens, enfiava-se na escarpa, atravessava o rio, dele se despedia em Barca d'Alva, entrava em terras de Espanha, chegava a Salamanca. (…) Quem agora vê aquele caminho-de-ferro deslumbra-se de raiva. Ele próprio, bem poderia ser o quinto património mundial, há quatro em todo o seu percurso. Como foi possível construí-lo nos anos de 1880? Como foi possível destruí-lo cem anos depois? Como foi possível o municipalismo sucumbir ao centralismo?"

 Boas perguntas.

 

2 – De Inês Pedrosa : "As lágrimas da transmontana, socialista, enfermeira, professora, autarca, católica ( a ordem dos factores é arbitrária, excepto no que se refere a Trás-os-Montes ) Ana Sara Brito, são raríssimas de ver – por isso cintilam. Foi ela a responsável pela angariação de assinaturas e coordenadora-geral da campanha de estrada de Manuel Alegre, nas últimas presidenciais. (…). Foi ela- com Manuela Tavares, da UMAR – a alma de um dos movimentos cívicos que marcaram este referendo."

Ana Sara Brito é nossa associada e integra os Órgãos Sociais como membro do Conselho Fiscal. Para ela, os nossos Parabéns.

 

Pessoas

 

Eng. Ricardo Magalhães.

Foi designado para presidir e coordenar a Unidade de Missão do Douro para estabelecer a ligação entre a Administração Central, os intervenientes locais e a Comissão  Nacional da Unesco na Região Património Mundial do Douro Vinhateiro. Desmpenhava o cargo de Vice-Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte. Nasceu em Luanda, filho de pais de Vila Real ( pai militar ) Secretário de Estado do 13º e 14º Governos, nas áreas do Planeamento, Ambiente e Recursos Naturais.

 

Patrícia Barreiro

É jovem. 18 anos. Bonita. Nasceu e vive em Vila Real. Frequenta o 12º ano na Escola de S. Pedro e pretende ser gestora. Nos Açores, na ilha de S. Miguel em concorrência com outras  jovens representantes do Norte, Centro, Sul, Açores e Madeira, ganhou o Concurso Nacional e foi coroada "Miss Turismo Portugal". Parabéns. Em Trás-os-Montes e Alto Douro não há só paisagem

 

FALECIMENTO

Com 86 anos faleceu Firmino Aires. Natural de Mairos/Chaves foi uma personalidade que muito concorreu para a cultura flaviense. São da sua autoria várias obras escritas relacionadas com o concelho de Chaves. Algumas existem na Biblioteca da CTMAD. Foi sócio fundador da revista cultural Aquae Flaviae. À família e aos amigos de Firmino Aires, NTMAD apresenta condolências.

 


Posted at 01:08 by ntmad
Make a comment  


© 2007 Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro (CTMAD). O material noticioso aqui apresentado apenas poderá ser utilizado mediante acordo prévio da CTMAD e dos seus autores. Para mais informações poderá contactar-nos. A edição online pode não conter a totalidade da edição em papel mas apenas alguns artigos.