Orgão da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa


NOVO !
Leia o nosso jornal (em pdf):



ARTIGOS MAIS LIDOS


Os Mais Insignes Judeus Transmontanos

Nordeste

Presentes de Natal Amargos

À Memória de Constantino, Trasmontano e Rei dos Floristas

A Emoção e a Razão


A CTMAD está na net

Acompanhe-nos no FACEBOOK


Compareça ! Participe !




Se ainda não é sócio
da nossa Casa

junte-se a nós!

Pela nossa região,
pela sua terra !


quota anual:
apenas 25 €






Peça a Revista
do Centenário


A história da nossa Casa,
pelo Dr. Armando Jorge.
Adquira já !
preço:10 €



Entrevista do Dr. Nuno Aires
ao Portugal no Coração



A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro e' a associação regionalista mais antiga de Lisboa. Foi fundada por alvara' régio de 1905.09.23. E' uma Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, sem fins lucrativos.
E' Membro Honorário da Ordem do Infante D. Henrique.

Sede:
Campo Pequeno, 50 - 3º Esq., 1000-081 Lisboa.
Tel. 217939311 Fax 217939198
e-mail: ctmad.lisboa@gmail.com
NPC 500788863
NIB 003500010001305153056

Seja sócio da CTMAD fazendo o download da ficha:
Em formato PDF
ou
Em formato Word
e enviando-a devidamente preenchida.
Para débito directo preencha esta ficha.



<< April 2007 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
01 02 03 04 05 06 07
08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30

Edições anteriores

Marco 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho/Julho 2007
Setembro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007



SÍTIOS DA CASA

Casa de Tras-os-Montes e Alto Douro
CTMAD no FACEBOOK (novo !)
blog da CTMAD
CTMAD Cultura
Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro (wordpress)
Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro (blogspot)
Fotos CTMAD (Sapo)
Vídeos NTMAD (You Tube)
Trás-os-Montes e Alto Douro
Grupo Publico da CTMAD
Grupo dos socios da CTMAD



As nossas Festas


EVENTOS E ESTUDOS

III Congresso de TMAD
Nova Sede da CTMAD - a primeira pedra em Belém
Estudo Sobre o Crescimento e a Crise da Região
O associativismo regionalista transmontano

Festival de Gastronomia TMAD do Porto
Região Demarcada do Douro
Terra Olea (olivicultura)
Cão de Gado Transmontano
Gado Asinino
Viagem pelo Rio Sabor (I) - À procura da nascente
Viagem pelo Rio Sabor II - Da nascente à foz
Projecto Arqueológico da Região de Moncorvo
Centro de Estudos Antonio Maria Mourinho
Lhengua Mirandesa
Sítio de I Mirandés
DICIONARIO de Mirandês online
Mirandés Net
Froles Mirandesas
Al ciêntificu eilustradu
Al Balhe de la Baglina
VOCABULÁRIO Trasmontano
Retratos e Transfigurações
Genealogia (DGARQ)
Portuguese Genealogy (Candido)
Portuguese Genealogy (Holmes)
Cemiterio Judeu
Sephardim.com
Os Judeus em Trás-os-Montes
Arquivo Distrital de Bragança"
Arquivo Distrital de Vila Real
Arquivo Distrital da Guarda"
Arquivo Distrital de Viseu"
Catálogo geral de livros (UTAD)
Projecto Gutenberg
Domínio Público Brasileiro


MEDIA REGIONAIS

Região Transmontana TV online
TV de Barroso
Mirandela TV
Vila Real TV
Douro TV

Radios online

Radio Larouco

A Voz de Trás-os-Montes
A Voz do Nordeste
Diario de Tras-os-Montes
Douro Hoje
Folha D'Ouro
Jornal Nordeste
jornal o povo de barroso
Mensageiro Notícias
Notícias de Chaves
Noticias do Douro
Noticias do Nordeste
Noticias de Vila Real
O Cardo
Ribeira de Pena online
Semanário Transmontano
Terra Quente


PORTAIS TRASMONTANOS

BCD
Douronet
Espigueiro
Nordeste Digital
Trás-os-Montes
Zona Mais


Câmaras Municipais

Distrito de Bragança
Distrito de Vila Real
Distrito da Guarda
Distrito de Viseu


REGIÕES DE TURISMO

Alto Tâmega e Barroso
Douro Sul
Nordeste Transmontano
Serra do Marão


REINO MARAVILHOSO (I Parte)




ROTEIROS TURÍSTCOS

Rota da Castanha
Rota da Terra Fria
À Procura do Nordeste Transmontano
À Descoberta
Ansiães Aventura
Rio Tua
Ares da Minha Terra
Distrito de Bragança
Parque do Douro Internacional
Distrito de Vila Real
Boticas
Roteiros do Douro
Margem Esquerda do Douro
Margem Direita do Douro
Vista para o Douro
Douro Sul
Aldeias Vinhateiras (Douro)
As terras do Távora
Aldeias de Riba Côa
Gravuras de Foz Côa
Roteiro Vale do Côa e Além-Douro
Quinta da Erva Moira
Sabor a Douro
Rota dos Túneis
O Douro...nos caminhos da literatura
A boa vida de Marialva



REINO MARAVILHOSO (II Parte)




PAISAGEM E PATRIMÓNIO

Alto Douro Vinhateiro Património Mundial
Alto Douro Vinhateiro (fotos)
Arte Sacra na Diocese de Bragança
Barroso
Cerâmica Artesanal no distrito de Bragança
Vale do Côa e Alto Douro
Linha do Corgo
Linha do Douro
Linha do Sabor
Linha do Tua
Linha é Tua
Vale do Tua
Museu do Ferro
Património Arquitectónico Distrito de Bragança
Fotos do distrito de Bragança
Fotos do distrito de Vila Real
Fotos do distrito de Vila Real II
Fotos de Lamego
Fotos de S. João da Pesqueira


GRAVURAS DE FOZ CÔA




A NOSSA TERRA

Abrecovo
Adeganha
Aguas Frias
Aguas Vivas
Aguieiras
Alfandega da Fe
Algoso
Alijó
Arcas
Argemil da Raia
Argozelo
Argozelo II
Aveleda
Azibo
Barcos
Belver
Bemposta
Benlhevai
Bragado
Bruçô
Brunhoso
Cabril
Caçarelhos
Caçarelhos II
Cachão
Caldas de Aregos
Cambeses do Rio
Campeã
Campelos
Campo de Víboras
Cancelas
Candedo
Canedo
Carção
Carrazeda de Ansiães
Carviçais
Carviçais (forum)
Castedo (forum)
Castedo do Douro
Castelãos
Castelões
Castelo Branco
Celeirós do Douro
Chacim
Chaves
Chaves antiga
Coelhoso
Corujas
Dues Eigrejas
Eiras
Ervedosa
Especiosa
Fafião
Faiões
Favaios
Felgar
Felgueiras
Ferral
Fervidelas
Fiães do Rio
Fiolhoso
Fonte de Aldeia
Fontelonga
Frechas
Freixiel
Freixiel (freguesia)
Freixo de Espada-à-Cinta
Genísio
Gimonde
Gralhas
Grijó de Parada
Junqueira
Lagoaça
Lamalonga
Lamas de Podence
Lamego
Larinho
Larinho (blog)
Lavradas
Linharelhos
Loivos (Chaves)
Longroiva
Maçores
Marialva
Mazouco
Mesão Frio
Meixedo
Miranda do Douro
Miranda do Douro (Voilà)
Mirandela
Mogadouro
Mogos
Moimenta
Moncorvo
Montalegre
Montalegre (blog)
Morais
Mós (Foz Côa)
Mós-Douro.com
Mós do Douro
Mós (Moncorvo)
Mós (freguesia)
Murça
Ormeche
Ousilhão
Outeiro
Outeiro Seco
Padroso
Palaçoulo
Parada de Monteiros
Paradela
Paradela de Ansiães
Paradela de Monforte
Parambos
Parâmio
Paus
Peirezes
Pensalvos
Peredo dos Castelhanos
Picote
Pinhão
Pitões das Júnias
Pitões das Júnias (freguesia)
Pombal de Ansiães
Porrais
Prado Gatão
Provesende
Queimada
Rebordaínhos
Rebordaínhos (ASCRR)
Rebordelo
Ribeira de Pena
Ribeira de Pena (Terras de Pena)
Rio de Onor
Salselas
Salzedas
Sanfins do Douro
Santa Valha
Santalha
Santo Aleixo de Além-Tâmega
Santulhão
S. Joanico
S. João da Pesqueira
S. Mamede de Ribatua
S. Martinho de Angueira
S. Pedro dos Serracenos
S. Vicente da Raia
Segirei
Sendim
Serapicos (Vimioso)
Sernancelhe
Tabuaço
Tabuadelo
Tarouca
Torgueda
Torre de D. Chama
Tourencinho
Travancas
Trevões
Tua
Ucanha
Urrós (Mogadouro)
Uva
Valdigem
Vale de Anta
Vale de Figueira
Vale de Frades
Vale da Porca
Valença do Douro
Valpaços
Valpaços (Notícias)
Vidago
Vieiro
Vila Flor
Vila Real
Vila Verde da Raia
Vilar de Izeu
Vilar de Perdizes
Vilarinho de Agrochão
Vimioso
Vinhais
Vinhós
Zêdes
Zenízio


NORDESTE TRANSMONTANO



ARTE TRASMONTANA

Associação Amigos das Artes de TMAD
Antonio Afonso (Toninho)
Carlos Botelho
Balbina Mendes
António Pizarro
Eurico Borges
Graça Morais
José Augusto
Nadir Afonso
Rui Rodrigues
Peripécia Teatro
TEB
Teatro de Vila Real
Urze Teatro


MÚSICA TRASMONTANA

Banda de Música de Mogadouro
Banda de Música de Sanguinhedo
Banda de Música de Vilarandelo
Caramonico
Caretos de Podence
Caretos de Salsas
Concertinas de Lamego
Federação Transmontano Duriense de Bandas Filarmónicas
Galandum Galundaina
Guitarras de Portugal
La Çaramontaina
Lenga Lenga
Mar de Pedra
Pica Tumilho
Grupos de Pauliteiros de Miranda
Pauliteiras de Valcerto
Pauliteiros de Miranda do Douro
Pauliteiros de Miranda (Lisboa)
Rancho Folclórico Flor d!Aurora
Rancho Folclórico da Casa do Povo de Godim
Rancho Folclórico de Guiães
Rancho Folclórico de S. Tiago (Mirandela)
Rancho Folclórico de Vila Real
Rancho Folclórico de Vimioso
Zés Pereiras de Castedo do Douro


CANTORES TRASMONTANOS

Adelia
Emanuel
Roberto Leal

referências

OUTROS LINKS

If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



2007.04.03
À MEMÓRIA DE CONSTANTINO, TRASMONTANO E REI DOS FLORISTAS! - 1ª Parte*

 

A Torre de Moncorvo de propósito fui para assistir a uma conferencia sobre o passado e a modernidade do burgo e, pelo amor que tenho aos livros, lá peguei num daqueles que as câmaras municipais fazem o favor de dispensar e cujo titulo dá por " Constantino Rei dos Floristas" da autoria da Ex.ma Dr.ª Júlia de Barros Biló, uma letrada e mui douta Moncorvense que, em Leiria, se a informação está actualizada, espalha didacticamente as pérolas do seu saber como, aliás, as obras de que é autora o demonstram.

 

E, graças ao estilo coloquial e alegremente comunicativo da autora, de um só fôlego li a história que desconhecia e, correspondendo aos seus anseios e porque na história há antepassados de pessoas da minha aldeia – Cardanha e de Adeganha, ambas do concelho de Moncorvo - aqui estou a tentar multiplicar a semente para que os associados da CTMAD e seus amigos, nomeadamente os que lerem esta pequena síntese, ficarem a saber quem foi Constantino, que dos floristas foi rei por essa Europa do século XIX.

 

Nasceu o nosso ilustre conterrâneo, em Alfandega da Fé, antes do dia 28 de Agosto de 1802 e, nesta data, baptizado foi com o nome de Constantino José Marques e, já adulto, viu reconhecida a sua paternidade cujos pais, segundo o assento de óbito de Percis – Pirinéus franceses – foram José Joaquim Marques Moutinho Lopes e Vicencia Luísa Victorina Banha de Melo.

Para infortúnio seu e não só foi depositado num cesto/açafate branco, como se da "roda" se tratasse, em casa do pároco da terra que aceitou, em pedido de confissão da avó materna, receber e guardar segredo sobre o nascituro que os caprichos da mãe natureza mais a vontade de dois temerários amantes conceberam. Sua mãe, uma mulher casada da nobreza da terra, com marido ausente e ele um jovem de 40 anos. E, para salvaguarda do bom casamento da adúltera mãe e evitar a sua desonroso falatório da terra, seu avô materno impôs, com mão de ferro, a predita solução, tão usual naqueles tempos.

 

Confrontado o padre com o recém-nascido, depressa descobriu a forma de se libertar do encargo e, para evitar devassas pessoais e outras, assim como o inevitável falatório, tão afim dos ainda medievos meios rurais, despachou o petiz para o Larinho, concelho de Torre de Moncorvo, onde contratou uma ama que amamentou o nosso herói em troca de uma retribuição paga por familiares que só o dito padre conhecia.

 

Aos três anos arrancado foi da mãe de função e, carregada de lágrimas por lhe tirarem o menino que tratado era como se filho fosse, foi o futuro rei Constantino atirado para casa de um comerciante de Alfandega da Fé onde aprendeu as primeiras letras e as lições do giro comercial que as feiras, de terra em terra, lhe davam e seu amo impunha.

 

Por indicação de suas não assumidas tias paternas, que nele viam retratado o mano progenitor, foi o jovem Constantino, com 16 anos, atirado como criadfo-grave para uma casa nobre e rica de Moncorvo onde depressa aprendeu os segredos da profissão e onde, pelo menos, hábil e graciosamente uma vez serviu sua mãe e seus avós sem que alguma vez o chegasse a saber e onde sentiu uma vibração telúrica que o arrebatou para uma insondável nostalgia ao ver sua desconhecida mãe desmaiar quando tão fixamente o observava.

Serviu noutras casas sem o empenho e o brilho que demonstrara na primeira e, ante a estampada e regular tristeza que chegou aos ouvidos das não assumidas tias, resolveram as suas protectoras encaminhá-lo para o Convento dos Franciscanos, ali junto a Moncorvo, no sopé da férrea serra do Reboredo, onde, com 17 anos, acabou por entrar.

 

O jovem, sem vocação para frade, depressa congeminou libertar-se do presídio e, com dezoito anos, decidiu uma noite, na companhia de seu amigo Diogo, abandonar o Convento para, em fuga até Viseu, se alistar como mancebo no Batalhão de Caçadores n.º 5 que havia aderido à revolução liberal.

Sem instrução militar e feito cabo de um dia para o outro, andou, durante dois anos em observações pela Beira, sempre à espera que chegassem os ordeiros e autoritários miguelistas nos quais Constantino via o exemplo a seguir.

 

Como o seu regimento não era miguelista e porque se dera a vila-francada que reconheceu D. Miguel como rei de Portugal embarcou para os Açores e ilha Terceira onde passou cinco anos.

Ali começou a fazer as primeiras flores que, para os altares das igrejas e capelas daquela e outras ilhas, vendidas eram por uma senhora de 57 anos, Brízida Maria Silveira Brasil, com quem, aos 22 anos, depois de tanto e interessado afecto e carinho, havia de vir a casar no dia 4 de Dezembro de 1824, na sé de Angra do Heroísmo e que depois vira partir quando ela completou 60 anos.

 

Com a chagada das tropas liberais à ilha e ordenada a substituição do seu regimento, regressou o leal Constantino a Lisboa e, ante a simpatia pelo suposto pulso firme de D. Miguel, alistou-se no seu movimento e foi promovido a sargento.

Com as sucessivas derrotas de D. Miguel, a mais estrondosa das quais foi a do Porto, no dia 29 de Setembro de 1832, e tomada de Lisboa pelos liberais, regressaram as tropas miguelistas a Lisboa com mais derrotas em Coimbra, Leiria e Asseiceira.

Perante tanto insucesso, sem ter eira nem beira nem família que o recebesse em Moncorvo, decidiu acompanhar a D. Miguel até Évora, onde, em 26 de Maio de 1826, assistiu à sua rendição pela Convenção de Évora-Monte e tomou conhecimento do seu imposto exílio para Génova, para onde embarcou no navio Stag na tarde de 1 de Junho seguinte.

D. Miguel, sem preocupações com os leais servidores que o haviam acompanhado até Génova, decidiu abandonar aquela cidade para, com o apoio papal, passar a viver em Roma.

Constantino, sem trabalho e recursos para sobreviver, passou um dia, esfomeado, por uma rua de Génova onde viria a descobrir a florista M.me Vieillard e, com gestos e algumas palavras, lá conseguiu transmitir que sabia fazer flores e precisava de trabalhar com o que arranjou o seu primeiro emprego civil remunerado.

A florista, estupefacta com a habilidade e requintado gosto com que Constantino demonstrou a sua primeira obra e embasbacada com a facilidade com que trabalhava as penas, depressa viu o artista a quem, augurando-lhe um futuro radioso, pouco depois, ensinou a preparação e mistura das tintas.

E, assim, o nosso Constantino começou a demonstrar a sua arte e tal era a beleza, graça, finura, fantasia e harmonia que transmitia ás suas flores que os seus clientes, só algum tempo depois da primeira observação, conseguiam distinguir as flores artificiais das naturais.

 

O prazer de fazer flores e a vontade de se tornar um artista consagrado levaram-no a pernoitar pacientemente na oficina descobrindo, em cada dia, novos motivos de combinadas flores e odores que causavam a admiração da sua patroa e clientes.

Depressa contagiou sua patroa e, volvidos seis meses, pediu-lhe para sair e ir para Paris à procura de novos motivos para sentir-se realizado como artista.

A patroa, não sem mágoa em ver partir o artista, recomenda-lhe, em Paris, Mestre Flamet e aconselhou-o a visitar as fábricas de tintas em Turim e Lyon o que de imediato fez.

Em Paris, em 13 de Dezembro 1834, apresentou-se ao dito Mestre que, apercebendo-se de onde vinha, de quem o recomendara – florista de conhecidas e requintadas exigências - depressa concluiu que se trataria de um bom artesão com o que de imediato o admitiu ao seu serviço.

E, assim, no dia seguinte, de malas e mais haveres se transferiu para casa de Mestre Flamet, onde, como aprendiz, passou a trabalhar e viver dormindo no quarto das traseiras da loja.

O patrão, de imediato, distribuiu-lhe o trabalho e indicou ao Sr. Constantin, nome pelo qual passou a ser designado e divulgado, uma mesa para o efeito ao que o nosso herói, com respeitosa licença, pediu dispensa e, em alternativa, do mesmo modo pediu para se sentar no chão, ao meio da oficina, o que constituiu admiração geral.

Mas, sentado no meio da oficina, de pernas cruzadas como se sentia bem, fazia rodopiar os seus poucos instrumentos e, às penas, ora as alisando ora as acariciando, como se amores-perfeitos parecessem, transmitia-lhes aquela inimitável beleza que confundia artistas e clientes.

E tanta foi a beleza, admiração e satisfação de mestre Flamet que, para gáudio de todos, expôs na montra da oficina o primeiro bouquet para que fosse admirado por todos.

 

Um tenente da Guarda Nacional que por ali passou, impressionado com a beleza e finura do bouquet, mandou reservar o ramo, não obstante o elevado preço pedido, a fim de a Guarda Nacional o oferecer à Rainha Dona Maria Amélia.

Mestre Flamet, impressionado com o destino do bouquet, exclamou para o nosso Constantino: - Se a rainha gostar você tem o futuro assegurado!

Dias depois, nova visita do sargento que levantara o bouquet a fazer nova encomenda de flores e a comunicar ao mestre Flamet que a Rainha mandava felicitações ao mestre Constantin.

 

Constantino, sem perder a emoção que aquela felicitação representava, começou a fazer planos à vida e, sem esquecer que ali seria sempre.



(*) Clique aqui para ler a 2ª parte deste artigo

 

     Clique aqui para ler a 3ª parte deste artigo


Posted at 18:04 by ntmad

JÚLIA BARROS RIBº(BILÓ)
April 4, 2007   01:18 PM PDT
 
Muito agradada fiquei ao ler no Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro, online, o resumo de uma boa parte da "Quási-Biografia" do Rei dos Floristas que escrevi em 2002 e, com o apoio da Câmara de Moncorvo, foi publicada em 2003.
Penso que é uma forma excelente de divulgação da obra que, para lá da ficcionada biografia de Constantino, apresenta uma 2ª parte em que avulta a investigação levada a cabo, desde Bragança a Tercis-les-Bains (Pirenéus), passando pelos Arquivos da Torre do Tombo, pelos dos Açores, de Paris, de Londres, de Dax, de Mont de Marsan, de Bordéus, do Porto , da Biblioteca Nacional ... Creio que esta 2ª parte terá o seu mérito, pois foi sobre os dados recolhidos que a "Quási-Biografia" de Constantino se baseou.

Muito grata ao Sr. Engº Nuno Aires pelo óptimo resumo produzido e sua divulgação online.

Espero que, apesar dos seus muitos afazeres, possa terminar o excelente trabalho que começou.

Um abraço
Júlia Barros Ribeiro (BILÓ)
 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments




Previous Entry Home Next Entry

© 2007 Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro (CTMAD). O material noticioso aqui apresentado apenas poderá ser utilizado mediante acordo prévio da CTMAD e dos seus autores. Para mais informações poderá contactar-nos. A edição online pode não conter a totalidade da edição em papel mas apenas alguns artigos.